Após ser agredida pelo marido, mulher grávida vai a delegacia

Vítima precisou de atendimento médico e solicitou uma medida protetiva.
Imagem Ilustrativa

Jaru, RO – Um jovem de 21 anos é suspeito de agredir a companheira na madrugada desta segunda-feira (12) em Jaru (RO). Segundo a vítima, que está grávida de cinco meses, ela apanhou com socos, tapas, foi enforcada e passou mal após levar um chute na barriga.

O boletim de ocorrência foi registrado como lesão corporal e violência doméstica. A jovem, de 26 anos, contou para a polícia que as agressões começaram quando ela viu no celular do companheiro várias mensagens indicando uma traição. Ela desconfia que o esposo tem um caso com uma mulher casada. Segundo ela, ao dizer que contaria a situação aos envolvidos no caso, começou a apanhar.

Dificuldades para chamar a polícia

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, a grávida afirma que ligou para o 190 pedindo socorro, pois o esposo a estava agredindo, mas ele pegou o celular antes que ela passasse o endereço completo da residência.

A central de operações da Polícia Militar (PM) diz que solicitou à Patrulha Bravo para realizar buscas nas proximidades do local citado na denúncia, mesmo com o endereço incompleto.

A vítima confirmou que além de pegar o celular, o esposo também a impediu de sair na rua para encontrar com os policiais. Quando a viatura saiu da região, o jovem fugiu do local, segundo o registro policial, e deixou a mulher grávida sentindo fortes dores na barriga.

Somente por volta das 4h a vítima conseguiu pedir socorro para uma das vizinhas. Elas então ligaram novamente para a polícia e passaram o endereço correto. Os policiais dizem que quando chegaram na casa a vítima estava nervosa, lesionada e precisou ser levada para um hospital.

Durante o atendimento, ela solicitou uma medida protetiva e diz que teme pela vida dela e do filho. O esposo ainda não foi localizado.

Fonte: g1/RO

Mulher grávida consegue vaga em UTI, mas morre de Covid-19 durante transferência

Katiany estava grávida de seis meses e também era mãe de uma menina de 2 anos.

Uma jovem, de 21 anos, identificada como Katiany Regiani Carvalho, morreu na noite de quarta-feira (10) em decorrência da Covid-19. Ela estava grávida de seis meses.

Katiany morava em Seringueiras (RO) e segundo a Secretaria de Saúde da cidade, ela ficou internada por dois dias no Hospital Municipal, até que conseguiu uma vaga de UTI em Porto Velho. Durante a tarde de quarta foi iniciado o processo de transferência para a capital.

No trajeto de ambulância, a equipe precisou fazer uma pausa em Alvorada do Oeste, município vizinho de Seringueiras, até que Katiany ficasse estável novamente. Após estabilização, eles seguiram viagem, mas o estado se agravou no percurso e ela faleceu de noite em Ouro Preto do Oeste, sem chegar à UTI em Porto Velho.

Rede Amazônica entrou em contato com uma tia da jovem, ela informou que até então Katiany estava internada no mesmo quarto que o pai, em Seringueiras. Ele também foi diagnosticado com Covid-19, está com 90% dos pulmões comprometidos e aguarda na fila de espera por uma vaga de UTI.

Katiany estava grávida de um menino que iria se chamar Benjamim. Ela também era mãe de uma menina de 2 anos.

Seringueiras foi o único município da região central que não registrou nenhuma morte por Covid-19 em 2020. Segundo o último boletim do município, este ano, cinco moradores perderam a vida para a doença.

Por Élida Geovana, Rede Amazônica

%d blogueiros gostam disto: