Morador de Brasília é suspeito de terrorismo e ligação com Hezbollah

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, em coletiva de imprensa: "Israel tem uma palavra definitiva com relação a quem sai" - (crédito: Ed Alves/CB/DA.Press)

Um dos dois homens preso na Operação Trapiche, da Polícia Federal, deflagrada na quinta-feira, é morador de Brasília. Ele estava no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, voltando do Líbano, quando foi detido. O suspeito de ligação com o grupo terrorista Hezbollah negou envolvimento com a preparação de atos extremistas.

As ações ocorreram em São Paulo, Minas Gerais e no Distrito Federal e tiveram como alvo suspeitos de preparação de ataques terroristas, que estariam na fase de recrutamento — os aliciados seriam pagos para executar atentados em diversas cidades. As autoridades identificaram a viagem de brasileiros até Beirute, no Líbano, onde o Hezbollah se instalou, para treinamentos e instruções. Segundo fontes ligadas às investigações, a Embaixada de Israel seria um dos alvos dos ataques. Um cidadão libanês e um sírio, naturalizado brasileiro, são procurados no exterior.

De acordo com a jornalista Natália Martins, da TV Record, o grupo é investigado desde dezembro de 2022 — portanto, antes do ataque do Hamas contra Israel, em 7 de outubro, que deflagrou uma guerra na Faixa de Gaza. O Hezbollah ameaçou entrar no conflito em apoio ao Hamas.

A detenção dos suspeitos fez com que o gabinete do premiê israelense Benjamin Netanyahu emitisse nota dando a entender que o Mossad — o serviço secreto de Israel — orientou a PF para que ocorressem as prisões. As declarações provocaram irritação no governo brasileiro. O ministro da Justiça, Flávio Dino, disse que “nenhuma força estrangeira manda na Polícia Federal” e enfatizou que “o Brasil é um país soberano”.

Esse foi mais um dos atritos que têm envolvido recentemente a relação do Brasil com Israel. O estremecimento aumentou com as frustradas tentativas de retirada dos 34 brasileiros que estão na Faixa de Gaza. Nesta sexta-feira, o anunciado resgate do grupo não se confirmou, devido ao fechamento da fronteira entre o Egito e o território que é epicentro da guerra no Oriente Médio.

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, confirmou, nesta sexta-feira, que é Israel o responsável pelo controle da passagem fronteiriça de Rafah. “Israel tem uma palavra definitiva com relação a quem sai. Há militares de Israel em Gaza, e a abertura é feita do lado de Gaza com autorização e participação direta de Israel”, frisou.

A informação do chanceler desmente declarações contraditórias do embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine. Na última semana, ele disse que a responsabilidade pela lista seria exclusiva do Egito. Em seguida, reconheceu que Israel participaria do processo. Além disso, ante o fechamento da fronteira, responsabilizou o grupo terrorista Hamas pela demora na libertação dos brasileiros.

Bolsonaro

As constantes declarações do diplomata israelense já vinham incomodando o Planalto, mas, reservadamente, assessores dizem que o evento da última quarta-feira, em que Zonshine voltou a visitar a Câmara dos Deputados, onde se encontrou com ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e com parte da oposição, foi a gota d’água, um verdadeiro ato de hostilidade ao governo, o que tornaria a permanência do diplomata insustentável.

Questionado, Mauro Vieira respondeu que não conversa com Zonshine, mas, sim, com o chefe dele, o ministro de Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen. Diplomaticamente, o chanceler brasileiro disse desconhecer qualquer desconforto com o governo israelense e destacou a ótima conversa que teve com o homólogo israelense nos quatro contatos que teve.

No momento, a possibilidade de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamar o diplomata israelense para prestar esclarecimentos está descartada. Assessores palacianos afirmam que a prioridade é resgatar os brasileiros que estão em Gaza. Por isso, qualquer protesto mais contundente poderia azedar a já difícil negociação de repatriação, ficando o caso do embaixador para outro momento.

Polêmicas em série

Além do encontro com Bolsonaro na quarta-feira, Zonshine vem construindo um histórico de controvérsias com a gestão Lula desde o início do conflito no Oriente Médio. Chegou a ser chamado pelo secretário de África e Oriente Médio, embaixador Carlos Duarte, há cerca de 20 dias, para dar explicações a respeito de críticas que fez ao posicionamento do brasileiro em relação à guerra entre Israel e Hamas.

Algumas das críticas foram feitas no Congresso, durante encontro com parlamentares da oposição, no qual reclamou das “brandas manifestações” de Lula sobre o conflito. Na ocasião, a diplomacia brasileira classificou o pedido de explicações como uma praxe diplomática. “Chamadas assim são parte da rotina, sempre que é preciso alguma conversa pessoal para esclarecer posições”, respondeu, na época, o Itamaraty ao Correio.

Zonshine também reprovou publicamente a posição do PT por questionar o ataque a civis palestinos na retaliação israelense em Gaza, o que gerou uma troca de notas públicas, no mínimo, ásperas, entre o diplomata e a legenda.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias