Desespero toma conta de Cid, que em nova narrativa envolve Michelle

Foto: Divulgação/internet

Desespero toma conta de Cid, que em nova narrativa envolve Michelle

Em liberdade desde que concordou em fazer delação premiada, o ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, tenente-coronel Mauro Cid, segue tendo que cumprir uma série de medidas cautelares impostas pelo ministro Alexandre de Moraes.

Esta semana, a defesa do militar requereu ao ministro Alexandre de Moraes que Cid fosse dispensado do uso de tornozeleira eletrônica e autorizado a retomar suas atividades no Exército Brasileiro.

A resposta do ministro foi contundente.

Não e não.

Paralelamente, uma nova narrativa disparada pelo militar acaba de ser divulgada pela velha mídia.

Ele afirma que havia um grupo de conselheiros radicais junto ao então presidente Jair Bolsonaro. Dentre eles, a esposa, Michelle, e o filho e deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) teriam incentivado um golpe de Estado.

Tanto Michelle quanto Eduardo teriam incitado o então presidente a rejeitar o resultado da eleição presidencial de 2022 e dar um golpe de Estado para continuar no poder. O grupo radical dizia, de acordo com a delação de Cid, que Bolsonaro poderia contar com o apoio dos eleitores, sobretudo aqueles com licenças de armas tipo CACs (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador).

Tudo mera narrativa, sem nenhuma prova.

Algo lastimável.

O golpe na realidade foi outro.

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias