Fotos: Divulgação/Ekco Produções/Suframa
A Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e o Instituto de Inteligência Socioambiental Estratégica da Amazônia (Piatam) apresentaram, nesta sexta-feira (10), um balanço da 2ª edição da Feira de Sustentabilidade do Polo Industrial de Manaus (FesPIM). Organizado de forma conjunta entre as duas instituições, o evento foi realizado no período de 7 a 9 deste mês, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, em meio às discussões políticas em torno da Reforma Tributária e dos resultados (positivos) que ela traria para a Zona Franca de Manaus (ZFM).
Na capital federal, durante os três dias de feira, a FesPIM 2023 reuniu um universo de pessoas, entre personalidades da indústria, políticos, gestores de institutos de ciência e tecnologia (ICTs), nomes da televisão e da música, universitários, estudantes (níveis fundamental e médio) e demais interessados (de todas as idades) em conhecer o que hoje é produzido no Polo Industrial de Manaus (PIM).
Como instrumento de defesa e, principalmente, de propagação do desenvolvimento econômico e conservação ambiental da Amazônia, a segunda edição da FesPIM foi marcada por uma exposição de produtos variados, inovações em diversos níveis (do artesanato à tecnologia de ponta), que são fabricados no seio da floresta por gente da floresta. Como destaca o superintendente da Suframa, Bosco Saraiva.
“Nosso sentimento é de gratidão a todos que puderam comparecer e prestigiar o evento que representa um novo formato de comunicação da Zona Franca de Manaus para o Brasil e o mundo. A Fespim veio para ficar e, como tenho dito, funciona como uma simbiose da sustentabilidade com a produção industrial da Amazônia, no seio da floresta. E aqui eu quero destacar a participação das empresas, da UEA (Universidade do Estado do Amazonas), dos institutos que se utilizam da Lei de Informática e apresentaram as entregas feitas a partir da pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I). Nossos agradecimentos à bancada federal, que tem travado uma luta intensa em defesa do projeto e do povo amazônida; à imprensa; aos servidores da Suframa pelo empenho, profissionalismo e comprometimento; à Ekco Produções, na pessoa do Orsine; e, como não poderia deixar de ser, ao Instituto Piatam, pela grande parceria”, disse o superintendente.
Aos visitantes, a Suframa repassou informações relevantes – via materiais informativos e vídeos institucionais – do papel dela enquanto Autarquia, no Amazonas e nos estados do Acre, Rondônia, Roraima e Amapá.
O evento levou a Brasília gestores e técnicos de grandes e médias empresas, distribuídos em 30 estandes, além de reunir em “mesas-redondas” (de debates) cerca de 17 grandes nomes do universo científico e empresarial, no Brasil e no mundo.
Na avaliação do presidente do Instituto Piatam, Alexandre Rivas, a FesPIM atingiu os objetivos pretendidos, a começar pela organização, a participação das empresas e, principalmente, da juventude.
“Foi extremamente importante para o público que esteve visitando a feira, e também por conta da presença de quase toda a bancada do Estado na abertura, além da grande repercussão na mídia, tanto em Brasília quanto no Amazonas. Nós tivemos as mesas-redondas, que foram um sucesso tremendo por trazerem, ao debate, vários assuntos relevantes. E para mim, particularmente, o maior retorno veio de uma conversa informal com um jornalista, enquanto caminhávamos na feira: ‘professor eu ouvi desses jovens aqui na feira a expressão de que não sabiam que existia isso lá no Amazonas. Eu pensei que lá fosse só floresta. Eu quero estudar e quero ir trabalhar lá’. Então, isso para mim foi o mais positivo de tudo”, confidenciou Rivas.
Mais em 2024?
A repercussão foi tão positiva que, será trabalhada a possibilidade de se realizar a terceira edição da FesPIM já em 2024, na cidade de São Paulo, conforme anunciou o empresário e diretor-executivo da Ekco Produções, Orsine Oliveira. O objetivo é promover a sustentabilidade na região amazônica, alinhada à tecnologia do que hoje é produzido dentro do projeto, em mais de 50 anos de ZFM.
“A feira chegou para ficar e sempre será um instrumento de propagação de que o nosso polo gera sustentabilidade, preservação da floresta em pé, emprego e renda, tributo e muitos bens duráveis. É quase que impossível, um brasileiro não ter um produto seu, na sua casa, produzido na Zona Franca de Manaus. E Deus quis assim que a FesPIM acontecesse justamente em dia de votação dessa reforma, na hora em que o centro político brasileiro discutia isenção tributária, imposto, ganho de capital, e aqui a gente veio para dizer que, além de tudo isso, a Zona Franca gera um ganho ambiental. Até 2024, em São Paulo!”, sugeriu o empresário.
Source: Isaac Júnior

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias