Pela primeira vez, Moraes recua, reconhece erro e votação é anulada com o surgimento de novo documento

Foto: Agência Brasil

O ministro Alexandre de Moraes decidiu anular a votação virtual de um réu pelos atos ocorridos em Brasília no dia 8 de janeiro.

O cidadão Eduardo Zeferino Englert era acusado de ser um dos integrantes do acampamento do QG do Exército em Brasília.

Em seu voto, Moraes afirmou que estava “comprovada” a participação do réu nas “caravanas que estavam no acampamento do QG do Exército naquele fim de semana”.

Feita a afirmação acima e diante da tal comprovação mencionada, o ministro propôs a condenação a 17 anos de prisão pelos crimes de associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado e dano qualificado.

Entretanto, o advogado do réu conseguiu comprovar que ele havia saído de sua cidade – Santa Maria (RS) – no dia 6 de janeiro de 2023, e chegado em Brasília exatamente no dia 8 de janeiro, tendo ido direto para o CTG Jayme Caetano Braun, sem qualquer passagem pelo QG do Exército.

Diante de tais evidências, Moraes recuou, pediu destaque do processo, anulou o julgamento virtual e transferiu a votação para o dia 17 de novembro, no plenário físico.

Não tivesse o réu documentação incontestável da data de sua chegada a Brasília, certamente já estaria condenado a 17 anos de prisão.

Source: JCO

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias