Dama do Tráfico faz reunião em ministério e desfila no Congresso: Uma verdadeira Janja do crime organizado!

Na década de 70 a população olhava para os apontadores do jogo do bicho no Rio de Janeiro como verdadeiros bandidos a serviço de uma máfia que comandava seu território na base da força e da bala.

Impunham o respeito em seus becos nas vias públicas.

A polícia local recebia sua mesada e as autoridades públicas da época faziam vista grossa.

Afinal, os grandes bicheiros realizavam suas ações sociais, eram queridos em determinadas comunidades e frequentavam festas do Jet set carioca.

Esse era o crime organizado do Brasil há cinquenta anos, ou seja, não existia.

Pra quem vive o Brasil de hoje, essa visão da década de 70 chega a ser bucólica, mas de fato, essa é a nossa história.

Concomitantemente, nas celas do Presídio de Ilha Grande, em Angra dos Reis, presos políticos cumpriam pena com presos comuns e lhes ensinaram as vantagens de se organizarem para o cometimento dos seus crimes – nasce a primeira organização criminosa do Brasil – a Falange Vermelha – hoje conhecida como o Comando Vermelho, CV, a segunda maior do país na atualidade.

Nasce daí, também, a união indissolúvel entre o PT e o crime organizado.

A conjugação dessas figuras (o PT, a esquerda e as organizações criminosas), facilita a compreensão da evolução da criminalidade no país.

A maior das organizações criminosas do Brasil é o PCC. O Primeiro Comando da Capital foi fundado em 1993 como uma associação de assistência aos presos e contra a “opressão do Estado”.

Em 2002, o Marcola (Marco Willians Herbas Camacho) assumiu o comando da organização – foi quando voltaram suas atividades para o tráfico de entorpecentes.

Em 2008 a Rota (PM de SP) já havia apreendido documentos que comprovavam o envolvimento do PCC com produtores estrangeiros.

Hoje, o PCC é o comprador exclusivo de toda a cocaína produzida na Bolívia. Eles as repassam em seus territórios ou as revendem para outros traficantes. Pode até ocorrer de um pequeno traficante conseguir comprar uma produção clandestina em micro escala, mas que venda longe dos territórios do PCC.

Já é de domínio público que o Primeiro Comando da Capital investe na formação de juízes, promotores, defensores, policiais e, quiçá, militares. O Estado está literalmente contaminado e comprometido.

E não é só na base da pirâmide estatal.

Na cúpula do Executivo podemos citar a estranha coincidência do contador do PCC ocupar o mesmo endereço comercial que o filho do Lula. Aliás, o mesmo contador também é responsável pela declaração de imposto de renda do Lula por anos.

Na cúpula do Judiciário, antes mesmo de ser secretário de segurança em SP, um determinado ministro foi advogado dos interesses do PCC em algumas questões jurídicas.

Vereadores e deputados, ora, esses se contam em centenas. O Legislativo também não escapou.

Aqueles mais visionários sustentam que essa ditadura não é da toga, mas uma ditadura do crime organizado.

Os especialistas que olhavam com certa reserva para esta assertiva, já não discordam mais. O ano de 2018 interrompeu os planos macabros de se instalar essa ditadura das organizações criminosas. A liminar concedida pelo STF na época da pandemia e que se estende até hoje, serviu para os grupos criminosos se fortalecerem.

Com a retomada do poder em 2023, prosseguiram com a estratégia. Estão abrindo os portões das penitenciárias e soltando a população carcerária. Já não se prende mais quem está no cometimento de pequenos delitos (incluindo o furto nesse elenco de crimes “de pequena monta”). Estão desarmando a população, sucateando a polícia e engessando a atividade policial.

Tudo isso sendo implantado numa velocidade turbo!

Temos um total de 53 facções criminosas atuando no território brasileiro.

Doce ilusão de quem pensa que falta muito para vivermos dias venezuelanos por aqui. No Ceará, mais precisamente na periferia de Fortaleza, por exemplo, o cidadão brasileiro já não é mais uma pessoa livre, na concepção plena da palavra como você conhece.

Aliás, atualmente nenhum de nós é livre. O povo não pode expressar o que realmente pensa sobre o resultado das eleições ou será preso – também não pode dizer o que pensa sobre as decisões do STF, pelo mesmo motivo – tudo isso pode ser considerado ato antidemocrático e o cidadão brasileiro acabar sendo uma ameaça à sobrevivência da humanidade no planeta.

Mas…

Voltando ao Estado do Ceará, se nenhum de nós é livre, menos ainda é o cearense, coitado. Com os bairros dominados por facções diferentes, se um cearense se equivocar e aceitar um emprego numa localidade dominada por outra facção diferente daquela da sua casa, mesmo que seja no bairro vizinho, pode pagar com a vida por esse erro. Se matricular o filho num colégio do bairro vizinho nas mesmas condições, o preço será mais alto ainda. Assim funcionam as facções PCC, CV e Guardiões do Estado, no estado cearense.

Cada região do país tem a sua história marcada de sangue e suas organizações criminosas. O que se percebe é esse rebanho engrossando do lado de fora dos presídios, em todas as facções, nos quatro cantos do país.

O CV é muito forte dentro do sistema carcerário e o PCC muito grande do lado de fora, chegando a exportar cocaína para o continente europeu em grandes navios. Um quilo da pasta base na Europa chega a valer 40 mil euros.

Lula, antes de eleito, subiu palanque no Complexo do Alemão e Flávio Dino participou de reunião ministerial no Complexo da Maré – áreas de total domínio do tráfico – que a polícia só entra quando realiza mega operações, aparelhada e estruturada para o combate e troca de tiros, porque não há outra forma de se ingressar nessas áreas hostis.

Aquela assertiva de que estamos vivendo uma ditadura do crime organizado assume desenhos mais nítidos com os últimos acontecimentos de que a dama do tráfico amazonense, líder do CV e esposa do Tio Patinhas, que cumpre pena de 31 anos de reclusão, agendou reunião com o Ministério da Justiça e logrou êxito em conseguir realizar sua reunião em menos de 48 horas.

Isso mesmo! Em menos de 48 horas ela conseguiu se reunir com “assessores” do ministro! Tente você agendar uma reunião com o Ministério da Justiça e depois me diga se conseguiu. Ora, com o crime organizado não se brinca. A turma da “disciplina”, do “tribunal do crime”, tem regras rígidas. Se você de alguma forma come ou comeu na mão dessa turma, você é comprometido com o sistema.

Difícil será você decifrar os reais motivos daquelas fotos que essa senhora de rosto angelical pousou ao lado do Boulos e do Janones. Tiete sabemos que ela não é. Algum propósito mais obscuro essas fotos podem ter, de chantagens a mensagens cifradas – ou não – tudo é possível.

Uns preferem chamar o que estamos vivendo de “ditadura do sistema”, outros chamam de “ditadura da toga” e tem aqueles que encontram o termo “ditadura da esquerda” mais apropriado. Contudo, qualquer que seja a terminologia que você julgue mais adequada, você não poderá negar a ascensão das organizações criminosas em todos os seus aspectos.

A queda vertiginosa nas apreensões de drogas e armas nesse ano nas fronteiras e estradas do país não nos deixa mentir. Acabou a fiscalização.

Eles estão no comando! É a ditadura do crime organizado.

Foto de Carlos Fernando Maggiolo
Carlos Fernando Maggiolo

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias