Viúva de Clezão pede a prisão de Moraes por maus-tratos, abuso de autoridade e tortura (veja o vídeo)

Foto: Secom/STF

Edjane Cunha, viúva do empresário Cleriston Pereira da Cunha, que morreu no presídio da Papuda, após um longo período preso, sem denúncia formalizada e sem qualquer prova de que tenha participado dos atos de vandalismo no dia 8 de janeiro, representou na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

No documento, protocolado nesta quarta-feira (6), ela pede a perda do cargo de ministro do STF e sustenta que o magistrado teria incorrido em crimes com penas que vão de 10 anos a até 31 anos de prisão.

Representando a viúva e as duas filhas de “Clezão”, o advogado Tiago Pavinatto afirma que Moraes cometeu “maus-tratos em modalidade qualificada, abuso de autoridade e tortura”.

A representação sustenta que Moraes teria violado 32 dispositivos legais ao manter o empresário encarcerado mesmo dois meses após parecer da PGR favorável à soltura. O empresário, de 46 anos, morreu em 20 de novembro.

A viúva afirma que Cleriston “sequer conseguia caminhar para os banhos de sol”. E argumenta que Moraes assumiu “conduta omissiva dolosa” ao não levar em consideração o laudo médico que apontava urgência para Cleriston deixar a prisão.

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias