Viúva de Clezão aciona a PGR e quer pena de 31 anos prisão a Moraes

Foto: Agência Brasil

Edjane Cunha, viúva de Cleriston Pereira da Cunha, conhecido como “Clezão” e que faleceu no presídio da Papuda, entrou com uma representação contra o ministro do STF Alexandre de Moraes na Procuradoria-Geral da República (PGR).

No documento, ela solicita a destituição do cargo de ministro de Moraes e alega que ele teria cometido delitos passíveis de penalidades variando de 10 a 31 anos de prisão.

Na condição advogado da viúva, Tiago Pavinatto, respeitado jurista e escritor, argumentou que Moraes é responsável por “maus-tratos em modalidade qualificada, abuso de autoridade e tortura”. Essas acusações se baseiam na manutenção da prisão de Cleriston mesmo após dois meses da emissão de um parecer favorável à sua soltura pela PGR. Cleriston, aos 46 anos, veio a óbito em 20 de novembro.

A representação inclui a afirmação de Edjane de que Cleriston “não tinha mais capacidade de caminhar para os banhos de sol” e sustenta que Moraes adotou uma “conduta omissiva dolosa” ao ignorar um relatório médico que indicava a necessidade urgente de libertação.

A documentação protocolada ressalta:

“Incorre o ministro Alexandre de Moraes na pena de reclusão de 10 anos e 11 meses a 31 anos e 11 meses, além da perda definitiva do cargo de Ministro e a consequente inaptidão para exercer a Magistratura após cumprida a pena de reclusão, que deve iniciar-se em regime fechado.”

A viúva solicita à PGR que apresente uma denúncia formal contra Alexandre de Moraes ao STF, um caso sem precedentes que seria julgado pelo próprio Supremo.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias