Para cumprir compromisso climático, Brasil precisa rever os R$ 32 bilhões em apoio ao setor agropecuário

Durante a COP28, o Brasil reafirmou o compromisso de reduzir em 48,4% suas emissões dos gases do efeito estufa (GEE) já em 2025. Mas, para alcançar essa meta, o país precisa transformar urgentemente sua relação com o setor agropecuário, cuja expansão é a principal causa da mudança do uso da terra que, por sua vez, é a principal fonte de emissões no país. Essa transformação passa pelo redirecionamento dos recursos públicos: só em 2022, R$ 21,1 bilhões em financiamentos e mais de R$10,8 bilhões foram concedidos em benefícios tributários e subsídios para as atividades agropecuárias nos estados da Amazônia Legal e do Matopiba, como mostram os dados do novo estudo do Instituto Escolhas, lançado nesta sexta-feira (15/12).

Os Fundos Constitucionais de Financiamento do Norte, Nordeste e Centro-Oeste (FNO, FNE e FCO) destinaram, no total, R$ 16,9 bilhões para a agropecuária nos estados da Amazônia Legal e da região do Matopiba. Já o BNDES, destinou R$ 4,2 bilhões, sendo que somente para o Mato Grosso foram R$ 2,4 bilhões. O estudo estima que, na região Norte, o setor agropecuário recebeu R$ 5,9 bilhões em benefícios tributários e R$ 4,4 bilhões em subsídios da União.

“A expansão agropecuária na Amazônia Legal tem a pegada do gado e a produção de grãos como principais vetores. Os grãos, notadamente soja e milho, também são o foco de produção agrícola no Matopiba. Grandes monoculturas, voltadas para a produção de commodities, e pouco comprometidas com boas práticas de produção e comercialização. O cumprimento das metas brasileiras para o desafio da mudança do clima exige uma série de novos compromissos, inclusive, a garantia de mais recursos, o chamado financiamento climático, para promover um modelo de produção agrícola mais sustentável”, defende Jaqueline Ferreira, gerente de portfólio do Instituto Escolhas.

O estudo identificou que o setor agropecuário também se beneficia de subsídios cruzados da Conta do Desenvolvimento Energético (CDE), que é paga por todos os consumidores de energia elétrica por meio do pagamento de tarifas mais altas na conta de luz. Os recursos da CDE custeiam, por exemplo, a universalização dos serviços de energia e os descontos tarifários, como fontes incentivadas e irrigação. Para a agropecuária, foram R$ 2,2 bilhões em todo o Brasil, resultado da soma de dois tipos de subsídios: R$ 1,2 bilhão para irrigação e aquicultura e R$ 1,1 bilhão para atividades rurais em geral. O total de recursos para agropecuária via CDE foi de R$ 204,4 milhões nos estados da Amazônia Legal e R$ 366,6 milhões nos estados da Bahia e Piauí, que só pertencem à região do Matopiba.

Leia o estudo completo aqui

Fonte: Assessoria

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias