MPF e Unir assinam acordo com medidas de reparação sobre discurso misógino e homofóbico de professor

O Ministério Público Federal (MPF) e a Universidade Federal de Rondônia (Unir) assinaram, nesta segunda-feira (18), um termo de ajustamento de conduta (TAC) no qual o reitor José Juliano Cedaro comprometeu-se a gravar um vídeo de retratação dirigido à pesquisadora Sinara Gumieri Vieira. Ela foi ofendida em duas ocasiões pelo professor Samuel Milet, do Departamento de Ciências Jurídicas da Unir, com palavras de desrespeito e desapreço. O vídeo de retratação deve ser publicado em até 15 dias no portal e nas redes sociais (YouTube e Instagram) da universidade, bem como nos canais de mídia local.

A gravação do vídeo foi uma alternativa proposta pela Unir, visto que não foi possível que a retratação fosse feita pessoalmente à professora Sinara Gumieri. Ela foi convidada pela universidade a ministrar a aula magna no início do semestre letivo ocorrido em novembro, mas, devido a outros compromissos, a pesquisadora não pôde viajar a Porto Velho.

Além do vídeo, a Unir se comprometeu a produzir cartilha com protocolo de acolhimento e encaminhamento de pessoas que passem por situações de violência, assédio ou importunação, bem como a estabelecer um cronograma com os eventos relacionados à temática previstos nos programas regulares da universidade e com a possibilidade de aulas inaugurais sobre o tema. Caso o TAC seja descumprido, a universidade poderá ser multada.

Repetição

No episódio ocorrido em 2016, Milet valeu-se de sua autoridade como professor para proferir discursos de ódio, violência de gênero e homofobia numa gravação em áudio feita com sua autorização, ao se referir à advogada e pesquisadora Sinara Gumieri, palestrante convidada para a Semana Acadêmica de Direito da Unir. O caso ganhou grande repercussão na esfera pública, após ter sido, inclusive, reportagem do Fantástico, na TV Globo.

Em fevereiro deste ano, o MPF recebeu notícia de que, durante uma de suas aulas, o professor Samuel Milet teria novamente ofendido a pesquisadora Sinara Gumieri, relembrando os fatos acontecidos em 2016.

As ofensas resultaram em duas ações judiciais (0006570-89.2018.4.01.3400 e 1008191-70.2020.4.01.4100 e), sendo que, na primeira, a Unir foi condenada a indenizar a pesquisadora. “Sem demonstrar qualquer aprendizado com toda celeuma gerada e os dissabores a partir do evento de 2016, em 2023 o mesmo docente da Unir voltou a mencionar o evento em sala de aula e, não sob uma ótica de reconhecer que poderia ter cometido um erro, mas reforçando discurso discriminatório”, pontuou o procurador da República Raphael Bevilaqua.

O procurador acrescentou que a liberdade de expressão, enquanto direito constitucional, não deve ser suprimida, no entanto não pode ultrapassar os limites da dignidade humana e não deve ser utilizada como fonte de degradação e propagação de preconceitos. Veja o documento:

Rondoniagora.com

Source: do MPF

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias