MP recomenda medidas imediatas para atendimento em hospitais e unidades de saúde de Guajará-Mirim

O Ministério Público, por meio do Promotor de Justiça Antônio Carlos de Siqueira Júnior, da Comarca de Guajará-Mirim, expediu nesta quinta-feira (28/12), uma recomendação para o acompanhamento e a fiscalização da regularidade dos serviços médicos de urgência e emergência junto aos hospitais; ambulatórios e demais equipamentos de saúde da Cidade de Guajará-Mirim/RO.

A medida foi tomada após o caso da mulher que deu a luz na calçada da única maternidade do município. O fato amplamente divulgado e registrado por várias pessoas, relata que a mulher chegou já em trabalho de parto e encontrou a unidade de saúde fechada e sem nenhum funcionário para prestar atendimento.

O documento foi direcionado ao Prefeito da cidade; ao Secretário Municipal de Saúde e aos diretores de unidades de saúde de Guajará-Mirim, que devem, imediatamente, adotar todas as medidas necessárias no sentido de restabelecer e manter o regular e adequado funcionamento de todas unidade de saúde de Guajará-Mirim, observando-se toda a normatização ordinária e extraordinária, dotando os nosocômios de insumos, medicamentos e médicos plantonistas para atuar nos serviços hospitalares de urgência e emergência, os quais devem ser prestados de forma ininterrupta e constante, com acesso pela população durante as 24 (vinte e quatro) horas do dia, de acordo com o número e perfil esperados de pacientes a serem atendidos no local, nas especialidades médicas necessárias para a salvaguarda dos pacientes atendidos no município de Guajará-Mirim e região.

Devem ainda os citados, cumprirem integralmente as Resoluções do Conselho Federal de Medicina que dispõe sobre a normatização do funcionamento dos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência, bem como do dimensionamento da equipe médica e do sistema de trabalho; orientar diretores de hospitais e de unidades de saúde a estabelecerem um fluxo de atendimentos dos pacientes, com a devida classificação de riscos, quantificação médica e da equipe de enfermagem e técnica na ideal projeção, objetivando garantir as ações de tratamento dos pacientes; bem como realizarem o controle rigoroso da presença dos funcionários públicos municipais da área da saúde concursados e os contratados nos expedientes dos hospitais e unidades, informando à Secretaria Municipal de Saúde as eventuais faltas, ausências e saídas antes do horário regulamentar.

O Promotor de Justiça enfatizou na recomendação que, em caso de não acatamento desta Recomendação, serão adotadas as medidas legais necessárias, inclusive o ajuizamento da Ação Civil Pública, além, das medidas criminais e correlatas de responsabilização do ente público ou privado se for o caso.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias