RS está há 21 dias sem registro de mortalidade de mamíferos aquáticos

Desde o último dia 12 de dezembro, o Rio Grande do Sul não registra mortalidade de mamíferos aquáticos por influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP), a H5N1, informou a Secretaria da Agricultura, Pecuária, Produção Sustentável e Irrigação (Seapi) na quarta-feira (3). Em 2023, o estado teve cinco focos de gripe aviária, todos em animais silvestres.

“Seguimos com as atividades de vigilância observacional em aves de subsistência, granjas avícolas e locais de aglomeração de aves silvestres, além de fiscalizações de biosseguridade em granjas avícolas comerciais e atendimentos de notificações de casos suspeitos”, disse a coordenadora do Programa Estadual de Sanidade Avícola da Seapi, Ananda Kowalski, em nota.

Em paralelo às ações do Serviço Veterinário Estadual, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) também convocou todos os médicos-veterinários responsáveis pelos controles higiênico-sanitários das granjas avícolas, a fim de declarar o cumprimento dos requisitos de biosseguridade dos estabelecimentos que estejam sob sua responsabilidade.

(CRÉDITO: DIVULGAÇÃO / SEAPI-RS)

A influenza aviária afeta principalmente aves, porém, além dos mamíferos aquáticos, pode ocasionalmente atingir cães, gatos e seres humanos que tenham contato direto com animais infectados.

Portanto, as recomendações neste período de férias, em que o litoral gaúcho recebe um grande fluxo de visitantes, são: não se aproximar ou tentar socorrer animais feridos ou doentes; não se aproximar de animais mortos; e evitar circular com cães, gatos ou outros animais domésticos na beira da praia.

Caso o turista ou morador local encontre animais mortos ou doentes nas praias, é preciso notificar os órgãos do estado pelo WhatsApp ou as autoridades locais: Agricultura – (51) 98445-2033; Meio Ambiente – (51) 98593-1288. Os órgãos também reforçam que não há risco no consumo de alimentos cozidos ou industrializados, como ovos e aves.

A vigilância passiva recebeu 243 notificações de casos suspeitos, com colheita de amostras em 66 destas ocorrências e cinco focos confirmados. Nenhum desses casos são de aves de produção – o que mantém o status sanitário do estado e do país.

Source: Jornal do Agro

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias