MPRO recupera mais de R$ 14 milhões aos cofres públicos com atuações de combate à sonegação fiscal

Como resultado das ações do Grupo de Atuação Especial de Combate à Sonegação Fiscal e aos Crimes Contra a Ordem Tributária (GAESF) e do seu Núcleo de Atuação e Mediação em Ilícitos Tributários (NAMIT), o Ministério Público de Rondônia (MPRO), no período de janeiro a dezembro de 2023, recuperou R$ 14.006.406 (quatorze milhões, seis mil e quatrocentos e seis reais) aos cofres públicos e ofereceu denúncias cujo dano total chega a R$ 118.367.568,65 (cento e dezoito milhões, trezentos e sessenta e sete mil e quinhentos e sessenta e oito reais e sessenta e cinco centavos).

Entre essas ações de combate à sonegação fiscal e aos crimes contra a ordem tributária, estão a formalização de negociações para alcançar conciliações mediante pagamento de tributos e, se infrutíferas, ainda o ajuizamento de ações penais com condenações aos sonegadores.

De posse do Governo Estadual, o montante pode ser empregado na implementação de políticas públicas voltadas à melhoria na vida da população rondoniense.

O trâmite — segundo o Coordenador do GAESF, Promotor de Justiça Glauco Maldonado Martins, por força do Artigo 83 da Lei 9.430/1996, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado de Finanças (SEFIN), encaminha para o MPRO representações fiscais para fins penais relativas a crimes contra ordem tributária, ou seja, informa a prática de possíveis infrações penais praticadas no campo tributário.

O Ministério Público, quando recebe essas representações fiscais, registra como procedimento investigatório criminal. Na sequência, submete ao NAMIT, que opera como mecanismo extrajudicial dirigido à solução de conflitos. De um lado da negociação fica o auditor fiscal e procurador do Estado de Rondônia, que é o credor, e do outro o investigado devedor. A presença do Ministério Público é como mediador.

“O próximo passo é tentar compor no NAMIT uma solução de pagamento à vista ou parcelado. Se houver parcelamento, existe suspensão da investigação por força de lei. Já se houver pagamento à vista, ocorre a extinção da punibilidade por força de lei. Tudo isso acaba culminando na recuperação de ativos”, explicou o Promotor de Justiça, destacando que, se não houver autocomposição, após tentativas do NAMIT, a investigação criminal pode resultar em ação penal por crime contra ordem tributária.

Desse modo, o GAESF/MPRO colabora para a arrecadação do Estado com as investigações criminais que tramitam nele, mediante atuação resolutiva alinhada às premissas erigidas nos instrumentos normativos, que dispõem sobre a resolutividade no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias