Quem é Domingos Brazão, delatado como mandante do assassinato de Marielle (veja o vídeo)

Por Emílio Kerber Filho*

Domingos Brazão teria sido apontado em delação feita por Ronnie Lessa como um dos mandantes da morte de Marielle Franco.

Vereador, deputado estadual por cinco mandatos consecutivos, entre 1999 e 2015, e, recentemente, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Domingos Brazão, 58 anos, acumula 25 anos de vida pública envolvendo polêmicas, processos judiciais, suspeitas de corrupção, de fraude e até mesmo de homicídio.

Na manhã desta terça-feira (23/1), o site The Intercept Brasil publicou que Brazão foi apontado, por meio de uma delação premiada feita pelo PM reformado Ronnie Lessa, como um dos supostos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018.

Segundo o site, a principal hipótese para que Brazão ordenasse o atentado contra Marielle — que acabou vitimando também o motorista Anderson Gomes — seria vingança contra Marcelo Freixo, ex-deputado estadual pelo PSol, hoje no PT, e atual presidente da Embratur.

Isso porque, quando era deputado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Brazão entrou em diversas disputas com Marcelo Freixo, com quem Marielle Franco trabalhou por cerca de 10 anos antes de ser vereadora.

A homologação da delação premiada, que revela Domingos Brazão como um dos mandantes do crime, ainda terá que ser analisada e homologada pelo Superior Tribunal Federal (STJ), já que Brazão possui foro privilegiado.

“Já matei vagabundo”

Em 2011, Brazão foi acusado de comprar votos por meio de uma ONG vinculada a ele, na campanha para o cargo de deputado estadual. Já em 2014, ele foi processado por ameaçar uma radialista e na época deputada Cidinha Campos. Durante discussão, Domingos Brazão teria dito à parlamentar: “Já matei vagabundo, mas vagabunda ainda não”.

“Matei, sim, uma pessoa. Mas isso tem mais de 30 anos, quando eu tinha 22 anos. Foi um marginal que tinha ido à minha rua, à minha casa, no dia do meu aniversário, a mim e à minha família. A Justiça me deu razão”, contou Brazão, à época da briga com Cidinha Campos, ao jornal O Globo. Ele teria sido absolvido, porque o caso foi entendido como legítima defesa.

O político chegou a ser afastado do TCE-RJ em 2017, dois anos após assumir o cargo, e preso por suspeita de corrupção e envolvimento na Operação Quinto do Ouro, um dos desdobramentos da Operação Lava Jato no Rio. Em março de 2023, seis anos após ser afastado do TCE-RJ, a 13ª Câmara de Direito Privado determinou o retorno de Brazão ao órgão, por 2 votos a 1.

Em 2019, o nome de Domingos Brazão já havia aparecido nas investigações do assassinato de Marielle, e, apesar de ter sido acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por obstrução de Justiça, a denúncia foi arquivada.

Fonte: Metrópoles

Veja o vídeo:

Foto de Emílio Kerber Filho
Emílio Kerber Filho

*Emílio Kerber é Jornalista e escritor, Autor do livro “Por trás das grades – O diário de Anne Brasil”.

*As opiniões expressas neste artigo é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Correio de Notícia não tem responsabilidade legal pela “OPINIÃO” que é exclusiva do autor.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias