Desastrosamente, o Ministério da Saúde volta a submeter sua comunicação à ideologia de gênero

Em novos materiais divulgados, o Ministério da Saúde volta a omitir “mulheres” na comunicação de programas destinados ao público feminino.

Para o Ministério da Saúde, são “pessoas” que menstruam.

O Ministério da Saúde volta a submeter sua comunicação à “Ideologia de Gênero” em vídeo do programa de “Dignidade Menstrual”.

A prática segue a polêmica iniciada no dia 18 deste mês, quando a pasta comandada pela socióloga Nísia Trindade, tratou mães como “pessoa que pariu”.

A MATRIA, associação que representa “mulheres, mães e trabalhadoras”, expressou repúdio ao uso do termo “pessoa que pariu” pelo Ministério da Saúde. A entidade considera esta expressão um retrocesso na representação da identidade feminina e uma “desumanização” das mulheres biológicas.

Abaixo, a íntegra da nota publicada pela MATRIA:

“Em 14/01/2024 o Ministério da Saúde mais uma vez publicou em suas redes sociais comunicado direcionado a mulheres no qual se refere a nós com termos extremamente desumanizantes, como “pessoa que gesta” e “pessoa que pariu”.

Percebemos que há uma adesão total do Governo atual a uma “cultura woke” que privilegia demandas masculinas e desumaniza mulheres: não somos mais consideradas seres humanos do sexo feminino mas sim uma “identidade”, uma “performance”, um conjunto de “estereótipos” ou “intervenções estéticas” que poderiam ser adotados por qualquer um.

Para que essa ideologia se sustente, é preciso dissociar a palavra mulher de tudo que é exclusivo ao sexo feminino, como menstruar, gestar, parir ou amamentar, ou restaria claro que nenhuma pessoa do sexo masculino pode reivindicar para a si a nomenclatura “mulher”.

E assim o Governo nos faz regredir, em pleno século XXI, ao status contra o qual lutamos há milênios: o de sermos vistas apenas como um corpo desprovido de cidadania, um “corpo que pare”, uma “pessoa com útero”, “que menstrua”, “com vagina” ou qualquer outro termo desumanizante como os que o Governo vem adotando por meios de seus órgãos oficiais, sob o manto de um suposto progressismo.”

Veja o vídeo:

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias