“Se foram na casa do Jordy porque um manifestante o chamou de ‘meu líder’, imagina com o que está por vir”, diz deputado

A perseguição aos parlamentares de oposição promete novos capítulos nos próximos dias.

Um jornalista militante, digno representante da velha e carcomida imprensa, comemorou em matéria publicada no veículo em que trabalha:

“Achou pouco? PF prepara mais operações contra bolsonaristas.”

De fato, nesta segunda-feira (29) o alvo foi o vereador Carlos Bolsonaro.

Sobre o assunto, uma interessante matéria foi publicada pelo jornalista Paulo Cappelli, sob o título ‘Deputado alerta a família sobre risco de serem acordados pela PF’.

O clima é de apreensão em Brasília após o STF determinar buscas em endereços do deputado Carlos Jordy. Nos corredores do Congresso, circula a informação de que nova operação policial, mirando simultaneamente meia dúzia de parlamentares, estaria prestes a ser deflagrada.

Seria uma extensão da que levou a Polícia Federal (PF) à casa e a gabinetes de Jordy. Na última quarta-feira (24/1), em gesto simbólico, ele foi reconduzido ao posto de líder da oposição na Câmara.

Um deputado federal de primeiro mandato alertou a família sobre a possibilidade de serem acordados pela Polícia Federal. Ele disse que, após a operação contra Jordy, a tendência é que mais parlamentares, como ele próprio, citado em inquérito, tornem-se alvo.

‘Se foram na casa do Jordy porque um manifestante o chamou de ‘meu líder’, imagina com o que está por vir com os outros. Já avisei a todos lá em casa’, disse, sob reserva.

Por ora, não há o receio de prisões preventivas. Mas sim de buscas e apreensões de telefones, computadores e documentos no âmbito da Operação Lesa Pátria.

O inquérito conduzido pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mira atos antidemocráticos. Não apenas o 8 de Janeiro em si, mas articulações prévias que teriam contribuído para a manifestação que culminou com as depredações.

Como a investigação é sigilosa, sem que se saiba quais são os elementos de prova, fica difícil prever para qual lado a caneta de Moraes vai apontar. Jordy, até onde se sabe, transformou-se em alvo após mensagens trocadas com Carlos Victor de Carvalho. Conhecido como CVC, o suplente de vereador em Campos dos Goytacazes, no Rio, teria articulado protestos antidemocráticos.

Após a operação contra Carlos Jordy, parte da oposição iniciou um movimento para pressionar pela instauração da chamada CPI do Abuso de Autoridade. A comissão parlamentar de inquérito teria objetivo de mirar supostas ilegalidades do Judiciário e de botar uma lupa sobre o ministro Alexandre de Moraes.

 

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias