Moraes vota para condenar pastor a 17 anos de prisão pelo 8 de janeiro

Foto: STF

Neste sábado (3), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), emitiu seu voto pela condenação a 17 anos de prisão do pastor Jorge Luiz dos Santos.

Desde os eventos de 8 de janeiro, o pastor permanece detido, tendo tido uma análise prévia de seus antecedentes criminais feita de forma equivocada por Moraes em um despacho que negava sua soltura. Um relatório da Procuradoria-Geral da República (PGR) inclusive aponta essa incoerência.

O mais recente pedido de soltura apresentado pela defesa do pastor, datado de 29 do mês passado, a PGR reconheceu o erro apontado pelos advogados de Santos, indicando que Moraes confundiu o pastor com um homônimo ao mencionar os antecedentes criminais.

Embora Santos tenha outras infrações registradas, a PGR argumentou que isso não seria motivo para mantê-lo encarcerado. Entretanto, Moraes já havia desconsiderado outros dois pareceres da PGR que sugeriam a soltura do pastor.

Ao recusar o pedido de liberdade para Santos, Moraes havia levado em conta condenações por estelionato e receptação atribuídas ao pastor pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). Contudo, a defesa esclareceu que o indivíduo referenciado por Moraes não era o pastor, mas outra pessoa, com diferente RG e dez anos mais velho, classificando o erro como “grave equívoco”.

Familiares do pastor expressaram sua insatisfação em frente ao STF no mês passado, exibindo uma faixa que dizia:

“Preso do 8/1 erro homônimo”.

Moraes declarou que o pastor foi responsável por atos de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, tentativa de golpe de Estado, dano qualificado, deterioração de patrimônio nacional e formação de quadrilha armada.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias