Eleições 2024 – O jogo para ser vereador mudou

Diferentemente do último pleito de 2020, agora teremos menos partidos e regras novas e mais rígidas para a conquista de uma cadeira numa das 5.568 Câmaras de Vereadores do Brasil.

A imposição de uma cláusula de desempenho para ter acesso a recursos do fundo partidário e tempo gratuito no rádio e na televisão(Emenda Constitucional n. 97/2017) forçou os pequenos partidos a se unirem a outros para garantirem a permanência no jogo político.

A junção de grêmios partidários passou a ser consolidada por meio de fusão, incorporação e formação de federações partidárias.

Em 2020, eram 33 grupos partidários com possibilidade de lançarem candidatos a vereadores em cada um dos municípios brasileiros.

Já para 2024, a tendência é existirem somente 25 grupos partidários com condições para registro de candidaturas. Uma redução de mais de 24% de agremiações.

Por certo que, com essa necessária concentração de forças políticas, a quantidade de grupos que estarão na disputa em 2024 será bem menor.

Uma outra novidade para 2024 é o número de candidatos a vereador. No derradeiro pleito municipal, cada agremiação podia registrar até 150% do total de vagas em disputa. Agora, a quantidade de candidatos por partido/federação é limitada a 100%  mais 1 do número de vagas existentes para cada Parlamento Municipal (art. 10 da Lei n. 9.504/97). Fatalmente, a tendência é a diminuição do volume de candidaturas.

Importante dizer que a existência de uma nominata com o quantitativo máximo de candidatos possível não é sinônimo de sucesso no pleito. O mais importante será formar um grupo competitivo, isto é, com uma soma de votos suficientes para superar a barreira determinada pelo quociente eleitoral (número de votos válidos dividido pela quantidade de vagas disponível).

E sobre a aplicação do quociente eleitoral para a definição de quem ocupará as vagas, houve substanciosa mudança nas etapas do processo. Na última eleição municipal, a distribuição das vagas passava somente por duas fases: a primeira contemplava os partidos que alcançassem votação no montante de 100% do quociente eleitoral, bastando que tivessem candidatos com votação mínima de 10% do quociente eleitoral; e a segunda era entre todos os partidos, condicionada ao desempenho individual do candidato no limite de no mínimo 10% do quociente eleitoral.

Em 2024, teremos mais uma fase no meio das duas acima: a fase de distribuição das vagas exclusivamente entre os partidos/federações que tiverem 80% do quociente eleitoral, desde que tenham candidatos com votação de pelo menos 20% do quociente eleitoral (art. 109 do Código Eleitoral).

Com essa nova fase, não basta um candidato “estourar” na urna como campeão de votos para garantir a vaga, se o total de votos do seu grupo partidário não chegar perto do quociente eleitoral. O trabalho tem que ser conjunto, tanto o partido/federação como o candidato precisam garantir um teto numérico mínimo de votos.

Se um partido/federação não alcançar os 80% do quociente eleitoral, ainda que tenha candidato com 20% do quociente eleitoral, só terá a chance de disputar uma eventual vaga que não for preenchida nas duas primeiras fases, na última fase, chamada de  “sobra das sobras”. E isso somente vai ser possível em 2024 com a confirmação desse entendimento pelo STF nas ADI 7228, 7263 e 7325.
Do contrário, a disputa das vagas ficará restrita aos partidos/federações que conseguirem os 80% do quociente eleitoral.

O modelo atual dá preferência à distribuição das vagas nas Câmaras de Vereadores ao atendimento simultâneo de um desempenho global do grupo e um desempenho individual do candidato.

E, por isso, arrisco a dizer que a máxima que imperou por muito tempo de que “o melhor partido para ser eleito é aquele  que tem menos candidato bom de voto”, já não é uma estratégia infalível para um grupo político que busca o sucesso no pleito de 2024.

Em resumo, não resta dúvida de que o sistema eleitoral vigente tem como objetivo reduzir a fragmentação da representatividade partidária e impor regras que exigem dos atores do jogo político uma expertise análoga a de um jogador de xadrez.

E é por isso que o sucesso nas Eleições Municipais de 2024 possui uma dependência direta da maestria de quem conhecer a “regra de negócio” e souber mexer a peça do tabuleiro no tempo e modo correto.

Eleições 2024 - O jogo para ser vereador mudou
Edirlei Souza

Por Edirlei Souza*

* Edirlei é advogado político-eleitoral, ex-analista judiciário e técnico judiciário do TRE/RO, graduado em Direito, pós-graduado em Direito Eleitoral e Processo Eleitoral e em Comunicação Pública e professor.

 

*As opiniões expressas neste artigo é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Correio de Notícia não tem responsabilidade legal pela “OPINIÃO” que é exclusiva do autor.

 

Source: *Edirlei Souza

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias