Após fracasso da seleção olímpica, Galvão Bueno “surta” e vai pra cima da CBF (veja o vídeo)

O fracasso do Brasil em garantir uma vaga nos Jogos Olímpicos de Paris 2024, no futebol masculino, provocou fortes críticas de Galvão Bueno à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e à equipe liderada por Ramon Menezes.

Galvão expressou sua decepção em um vídeo nas redes sociais, destacando este momento como o mais baixo da história do futebol brasileiro.

“Domingo de Carnaval, queria falar de avenida, de escola de samba, falar do meu Salgueiro, sorrir muito. Mas o futebol brasileiro masculino está fora dos Jogos Olímpicos de Paris. Completa apenas um pacote da pior fase da história do futebol brasileiro”, afirmou Galvão.

“Eu não vou falar de sub-20, de técnico, de jogador, que foi eliminado por Israel no Mundial Sub-20. Olha só, qual é a importância do futebol de Israel? Eu não vou falar da seleção principal, que está em sexto lugar [nas Eliminatórias] e vem do pior ano da história. Não vem dizer que foi pior que em 1940, porque não sei nem como era o futebol”, adicionou.

Galvão também abordou o turbilhão administrativo dentro da CBF, especialmente a instabilidade na presidência da entidade com o retorno de Ednaldo Rodrigues ao cargo, após um breve afastamento.

“A CBF tem presidente, não tem presidente, volta o presidente, vai continuar o presidente. Faz o quê? Processo daqui, processo dali. Aí vem o jogo com a Argentina. O empate era bom para o Brasil, mas tomou um gol de cabeça no final. Eu não vou falar do técnico e nem da defesa, que é muito ruim, do meio-campo que não se achou e das estrelas da frente. Sem citar nomes, mas se esperava que fossem os grandes nomes do Pré-Olímpico”, criticou o narrador.

Finalizando, Galvão ecoou as palavras de John Kennedy, expressando vergonha pela eliminação do Brasil no Pré-Olímpico.

“Junta tudo isso que eu falei, está tudo errado. Não pode estar correto. Não é a falha desse ou daquele, não. Vou terminar com uma frase do John Kennedy, que eu acho que define tudo isso. Providências urgentes têm que ser tomadas. O menino John Kennedy, que fez o gol do título da Libertadores do Fluminense, não veio com desculpas. ‘Ah, mas aquilo não funcionou’. Não. Ele usou a seguinte frase: ‘Vergonha, muita vergonha’. O futebol brasileiro é muito grande e isso não pode acontecer”, concluiu Galvão.

Confira:

 

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias