Ex-líder do PCC trabalhou em consulado de país africano e foi descrito como “homem de grande idoneidade”

Marcos Roberto de Almeida, conhecido como Tuta, maior liderança solta do Primeiro Comando da Capital (PCC), foi condenado esta semana por lavar R$ 1 bilhão da facção criminosa.

Mesmo sendo procurado pela polícia, ele desempenhou a função de adido comercial no consulado de Moçambique em Minas Gerais, onde recebia salário de R$ 10 mil reais para tratar de temas importantes para o intercâmbio comercial de Moçambique com o Brasil.

Tuta trabalhou como adido entre 2018 e 2019, com carteira assinada.

Certa feita, o ex-consul honorário de Moçambique em Minas Gerais, descreveu Tuta como “um homem de grande idoneidade”, que “desempenhava sua função corretamente” e que “preenchia todos os requisitos necessários” para o cargo.

Tuta apresentou sua folha de antecedentes à Justiça Federal e Justiça mineira, antes de ser contratado.

Quando o agora ex-cônsul foi intimado a falar como testemunha de defesa de Tuta ao TJSP, ele o desligou do quadro de funcionários do consulado, ao ficar sabendo das ligações do adido comercial com o crime organizado.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias