Rondônia tem a terceira menor proporção de mulheres como parlamentares municipais

Indicadores Sociais das Mulheres no Brasil mostra que, em Rondônia, das 533 vagas de vereadores, 63 são ocupadas por mulheres, ou seja, elas representam 11,8% do total de parlamentares municipais, sendo a terceira menor proporção do país. Rio de Janeiro (10%) e Espírito Santo (10,8%) apresentam as menores representatividades femininas. Na outra ponta, estão: Rio Grande do Norte (21,6%), Acre (20,8%) e Piauí (20%). Em relação ao percentual de prefeitas rondonienses, ele é parecido com o de vereadoras. Dos 52 municípios, apenas seis são comandados por mulheres (11,5%).
O estudo, divulgado pelo IBGE, tem por objetivo trazer uma sistematização de informações fundamentais para análise das condições de vida das mulheres no Brasil. Utiliza, além das pesquisas do Instituto, bases de dados do Ministério da Saúde, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP).
Ainda sobre a participação das mulheres em cargos públicos e de tomada de decisão, a pesquisa mostra que, em 2022, 30,4% dos cargos gerenciais, em Rondônia, eram ocupados por elas e 69,6% pelos homens. Porém, o rendimento das mulheres nesse tipo de cargo foi maior que dos homens. Elas receberam, em média, R$ 4.269,00 e eles ganharam, em média, R$ 3.769,00, realidade inversa à brasileira, em que homens receberam em média R$ 1.777,79 a mais que mulheres – R$ 8.378,00 e R$ 6.600,00 respectivamente.
As Estatísticas de Gênero apontaram também que a taxa de desocupação, em 2022, foi maior entre as mulheres que entre os homens. Isso ocorreu em todas as Unidades Federativas do Brasil. Em Rondônia, o índice de desocupação entre as pessoas do sexo masculino foi de 2,8%, enquanto que entre as pessoas do sexo feminino foi de 6,4%.
Outro ponto indicado pela pesquisa é que as pessoas do sexo feminino com mais de 14 anos dedicam mais horas para o cuidado de pessoas e/ou afazeres domésticos que os homens. Em 2022, em Rondônia, elas destinaram 20,9 horas semanais de seu tempo, enquanto que eles aplicaram 12,4 horas semanais. A média brasileira foi de 21,3 horas semanais delas e 11,7 deles.
Além disso, o estudo apontou que a proporção de jovens do sexo feminino com idades entre 15 e 24 anos que não estudam, não estão no mercado de trabalho e que não estão em treinamento é maior do que a proporção dos jovens do sexo masculino em todas as Unidades Federativas, sendo o Amapá com a maior diferença – 16 pontos percentuais – e o Distrito Federal com a menor diferença – 3 pontos percentuais.
Em Rondônia, as Estatísticas de Gênero mostraram que 22% das mulheres nesta faixa etária e 11,2% dos homens não estudam, não estão no mercado de trabalho e não estão em treinamento.
Rondônia teve a maior proporção brasileira de casamento com mulheres menores de idade
De acordo com as Estatísticas de Gênero, em 2021, Rondônia teve a maior proporção do Brasil de casamentos com cônjuge feminino com idade até 17 anos. No estado, em 6,1% das uniões matrimoniais (746 casamentos), a mulher era menor de idade. O segundo estado com a maior proporção foi o Maranhão, com índice de 3,5%. Já a taxa brasileira foi de 1,8%.
Quanto à taxa de fecundidade de mulheres de 15 a 19 anos, Rondônia apresentou o menor índice da Região Norte: 67,8%. A maior taxa do país foi no Amazonas (87,7%) e a menor no Distrito Federal (41,3%). O índice brasileiro foi de 56,9%.
Rondônia tem a segunda menor razão de mortalidade materna da Região Norte
Em relação à mortalidade materna, a publicação mostrou que, em 2022, no estado de Rondônia, a cada cem mil bebês nascidos vivos, 52 mulheres morreram em decorrência de problemas na gravidez ou no parto. A razão é a segunda menor da Região Norte, atrás do Acre, que apresentou proporção de 48 mortes de parturientes a cada cem mil recém-nascidos.
Entre todas as Unidades Federativas, Roraima apresentou a maior razão de mortalidade materna: 160 mortes de mulheres a cada cem mil nascidos vivos. Já o estado de Santa Catarina, registrou a menor taxa: 31.
Sobre mortalidade de crianças com menos de cinco anos, a pesquisa demonstra que, normalmente, a proporção de mortes entre os meninos é maior do que entre as meninas. Em 2022, em Rondônia, a cada mil meninos nascidos vivos, 16 morreram antes de completar cinco anos. Entre as meninas, a taxa foi de 12 mortes a cada mil nascidas vivas.
A publicação demonstra ainda que Rondônia teve a segunda menor taxa brasileira de mortalidade de pessoas com idades entre 30 e 69 anos devido a doenças cardiovasculares, câncer, diabetes ou doenças respiratórias crônicas. Em 2022, no estado, o índice foi de 12,7%, atrás do Distrito Federal (10,4%). A maior taxa foi em Alagoas (16,7%). Já o índice do país foi de 14,4%.
Considerando o gênero, verifica-se que as mulheres têm menor probabilidade de morte que os homens por esses tipos de doença. Enquanto a taxa rondoniense entre elas foi de 10,7%, entre eles foi de 14,7%.
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias