Em Rondônia, JBS comprou mais de 20 mil cabeças de gado de áreas com desmatamento ilegal

Informações dão conta de que a JBS comprou mais de 20 mil cabeças de gado de áreas com desmatamento ilegal em Rondônia, isso é extremamente preocupante. O desmatamento ilegal é uma séria violação ambiental que contribui significativamente para a destruição da floresta amazônica e para as mudanças climáticas globais.

A compra de gado de áreas desmatadas ilegalmente não apenas contribui para a destruição do meio ambiente, mas também incentiva e perpetua práticas ilegais e insustentáveis na indústria agropecuária. Esse tipo de prática é prejudicial não apenas para o meio ambiente, mas também para a reputação do agronegócio, da empresa, além da economia local, já que o desmatamento ilegal pode levar a sanções comerciais e restrições à exportação de produtos agrícolas.

Em auditoria da cadeia pecuária no Estado de Rondônia, a JBS teve unidades examinadas dos municípios de Porto Velho, Pimenta Bueno, São Miguel do Guaporé e Vilhena. Por conta disso, foram iniciadas 17 ações judiciais contra a empresa.

Deste, um total de 12% de operações de compra de gado pela JBS foram consideradas “não conforme”, por estarem em desacordo com normas ambientais.

Foto acessível: imagem de satélite

Em se considerando os demais Estados da Amazônia Legal em que a JBS opera, o quantitativo de operações de aquisição de cabeças de boi fora da conformidade são:

Acre – 10%

Pará – 6%

Mato Grosso – 2%

Portanto, Rondônia foi o local que a JBS mais atuou em desconformidade com as normas.

A iniciativa, que visa verificar o cumprimento de acordos assinados desde 2009 entre o MPF, setores produtivos, empresariais e órgãos de fiscalização marca um importante passo em direção à transparência socioambiental e ao compromisso com a legislação vigente.

Nos últimos meses, a Procuradoria Geral do Estado propôs 17 ações civis públicas contra a JBS e outros frigoríficos por terem comprado gado criado em áreas de proteção ambiental.

Desde dezembro de 2023, o Ministério Público do Estado, por meio das Promotorias do Meio Ambiente da capital, encaminhou recomendação conjunta tendo como destinatária a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), para que o órgão faça o levantamento, análise e cancelamento dos Cadastros Ambientais Rurais (CAR) inseridos dentro dos limites das unidades de conservação compreendidas na Comarca de Porto Velho, o que o órgão ambiental ainda não fez.

Com informações: MPF/RO, MPE/RO, Grupo de Pesquisa e Intervenção em Direitos Humanos – Mapinguari (Universidade Federal de Rondônia).

MP recomenda cancelamento dos CAR em áreas de sobreposição e a JBS aparece na lista das auditorias do MPF

Informações dão conta de que a JBS comprou mais de 20 mil cabeças de gado de áreas com desmatamento ilegal em Rondônia, isso é extremamente preocupante. O desmatamento ilegal é uma séria violação ambiental que contribui significativamente para a destruição da floresta amazônica e para as mudanças climáticas globais.

A compra de gado de áreas desmatadas ilegalmente não apenas contribui para a destruição do meio ambiente, mas também incentiva e perpetua práticas ilegais e insustentáveis na indústria agropecuária. Esse tipo de prática é prejudicial não apenas para o meio ambiente, mas também para a reputação do agronegócio, da empresa, além da economia local, já que o desmatamento ilegal pode levar a sanções comerciais e restrições à exportação de produtos agrícolas.

Em auditoria da cadeia pecuária no Estado de Rondônia, a JBS teve unidades examinadas dos municípios de Porto Velho, Pimenta Bueno, São Miguel do Guaporé e Vilhena. Por conta disso, foram iniciadas 17 ações judiciais contra a empresa.

Deste, um total de 12% de operações de compra de gado pela JBS foram consideradas “não conforme”, por estarem em desacordo com normas ambientais.

Foto acessível: imagem de satélite

Em se considerando os demais Estados da Amazônia Legal em que a JBS opera, o quantitativo de operações de aquisição de cabeças de boi fora da conformidade são:

Acre – 10%

Pará – 6%

Mato Grosso – 2%

Portanto, Rondônia foi o local que a JBS mais atuou em desconformidade com as normas.

A iniciativa, que visa verificar o cumprimento de acordos assinados desde 2009 entre o MPF, setores produtivos, empresariais e órgãos de fiscalização marca um importante passo em direção à transparência socioambiental e ao compromisso com a legislação vigente.

Nos últimos meses, a Procuradoria Geral do Estado propôs 17 ações civis públicas contra a JBS e outros frigoríficos por terem comprado gado criado em áreas de proteção ambiental.

Desde dezembro de 2023, o Ministério Público do Estado, por meio das Promotorias do Meio Ambiente da capital, encaminhou recomendação conjunta tendo como destinatária a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), para que o órgão faça o levantamento, análise e cancelamento dos Cadastros Ambientais Rurais (CAR) inseridos dentro dos limites das unidades de conservação compreendidas na Comarca de Porto Velho, o que o órgão ambiental ainda não fez.

Com informações: MPF/RO, MPE/RO, Grupo de Pesquisa e Intervenção em Direitos Humanos – Mapinguari (Universidade Federal de Rondônia).

MP recomenda cancelamento dos CAR em áreas de sobreposição e a JBS aparece na lista das auditorias do MPF
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

0
Would love your thoughts, please comment.x
×

Olá!

Clique em um de nossos contatos abaixo para conversar no WhatsApp

× Canal de denúncias