Deputados em pé de guerra: retaliação contra o governo será discutida na terça-feira

A Artilharia está prota. Os parlamentares consideraram que a retenção das emendas pelo governo foi um ataque, por isso pretendem reagir - Imagem Reprodução /CN

No meio da briga entre deputados e o governo, prefeitos do interior estão irritados, pois as emendas não saem

A expressão “deputados em pé de guerra” sugere um ambiente de conflito ou tensão entre governo e membros do parlamento. É comum que haja divergências e debates acalorados em ambientes políticos, especialmente quando se discutem questões controversas ou quando há diferentes visões e interesses em jogo. No entanto, é importante que essas discordâncias sejam conduzidas de maneira respeitosa e construtiva, visando o interesse público e o bem-estar da sociedade como um todo. Sobretudo, um diálogo aberto na busca de um consenso é fundamental para superar conflitos e promover o progresso legislativo.

De qualquer forma, vale ressaltar que, mesmo diante de uma possível retaliação seja baseada em princípios éticos e legais, com o objetivo de promover mudanças positivas e responsabilizar o governo por suas ações.

Segundo o “blog entre linha” está confirmada para a manhã de terça-feira (30) a reunião entre os deputados estaduais para decidir que medidas adotarão contra o governo, na guerra pelas emendas parlamentares. De um lado, o Executivo não está liberando o dinheiro das emendas, de outro, os deputados já haviam decidido que não votam projeto algum encaminhado pelo CPA.

Entre os projetos de interesse do Executivo está o empréstimo de mais de R$ 1 bilhão. Deputados já chegaram diversas vezes a aprovar projetos do governo no mesmo dia em que as matérias chegaram, quando estava tudo bem. Um desses projetos alterou o artigo 93 da Lei 965, concedendo à Casa Civil poderes sobre todas as demais secretarias de estado. Com a mudança, emenda tem que passar primeiro pela Casa Civil.

As emendas parlamentares têm um prazo de 15 dias para tramitarem. De acordo com um dos deputados que concordou em conversar com o Entrelinhas, atualmente um pedido de emenda chega na Casa Civil e fica lá por 14 dias. No último dia é encaminhado à secretaria para onde o recurso é destinado. Quando o pessoal da secretaria age ligeiro, o material chega à Procuradoria Geral do Estado algumas horas antes do prazo final.

A situação já estava crítica, mas piorou após o procurador-geral, Thiago Denger Queiroz, ter emitido um parecer citando a impossibilidade (de liberar uma emenda) “por indícios de fraude” e ausência de prazo hábil. Os deputados consideraram o parecer uma declaração de guerra.

Ocorre que a ausência de prazo hábil citada pelo procurador seria porque não havia como avaliar a emenda parlamentar, porque o prazo de 15 dias havia terminado.

Um outro deputado ouvido pelo blog afirmou que o procurador-geral foi infeliz em fazer a citação, porque inflamou ainda mais os ânimos, que já estavam bem exaltados. “Mas não é o procurador que está impedindo a liberação das emendas. Um procurador não tem força para segurar todas essas emendas. Alguém acha que o governador deixaria o procurador fazer isso? Tudo indica que o chefe da Casa Civil, Júnior Gonçalves, é que está segurando as emendas”, considerou.

Campo minado

Um terceiro deputado ouvido pelo Entrelinhas era o mais irritado. Ele tem um ponto de vista diferente dos demais. Segundo ele, na verdade, o procurador-geral não é do grupo da Casa Civil. Acontece que, sem querer, ele estaria ajudando em um projeto. Conforme o parlamentar, a Casa Civil não teria interesse nenhum em pagar as emendas parlamentares, porque precisa desse dinheiro para fazer caixa.

“Todo mundo sabe que o governador vai renunciar ao mandato no início de 2026 para se candidatar ao senado. O vice-governador assume e deve concorrer ao governo. Então é preciso de dinheiro para atender os prefeitos daqui a dois anos, na pré-campanha de 2026. Mas acontece que os prefeitos precisam do dinheiro agora, e estão segurando as nossas emendas parlamentares”, disse o deputado.

Isso é o que circula na Assembleia Legislativa. Trata-se de um jogo político, que infelizmente está afetando prefeitos. Não se vê nada de ilegal na forma como o CPA está agindo, mas está dando confusão.

Aparentemente a guerra foi declarada. Os deputados já reagiram. Quando um ou outro projeto enviado pelo Executivo é lido em plenário, o deputado Delegado Camargo (Republicanos) pede vistas imediatamente. Nenhum parlamentar tem ânimo para tentar inviabilizar o pedido de vistas, diante da situação. Assim, o projeto não volta mais ao plenário.

Na terça-feira, pelo jeito, os deputados deverão subir o tom do discurso, por isso acontecerá a reunião. Os parlamentares ouvidos pelo blog disseram que não podem deixar barato.

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jotta Martins
Jotta Martins
26 dias atrás

AS FARPAS E FALTA DE DIÁLAGO NA GAIOLA DE OURO DEIXA O EXECUTIVO E LEGISLATIVO COM OS NERVOS A FLOR DA PELE

Por Jotta Martins (29.abri.2024) segunda-feira às 3h55- Explica e Descomplica jmartins360pvh@gmail.com

Os preparativos já estar pronto para o combate entre o Executivo/Legislativo, entre esse fogo cruzado, observa-se que , as promessas de campanhia dos respectivos parlamentares até o momento não foi realizado.

Nessa briga de braço , existe interesses por parte dos deputados.Para poder se eleger ou reeleger, as vezes chegam a prometer que vai asfaltar até o Rio Madeira.

Já, por outro lado, e salutar que tenha essas divergências para poder chegar a um acordo.

Nesse jogo à moeda de troca sempre será a barganha , não foi atoa que o. Homem da bengala, disse que infelizmente Assembleia Legislativa em uma gaiola de ouro.

Jotta Martins “Que não deve não treme”.

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

1
0
Would love your thoughts, please comment.x
×

Olá!

Clique em um de nossos contatos abaixo para conversar no WhatsApp

× Canal de denúncias