Blog revela possível participação do crime organizado em licitação de marmitex em Rondônia

Crime organizado supostamente ganha licitação em Rondônia para fornecer marmitex para presídio

A alegação de que o crime organizado ganhou uma licitação para fornecer marmitex para um presídio em Rondônia é extremamente séria e deve ser investigada minuciosamente pelas autoridades competentes. Se essa alegação for verdadeira, representa uma violação grave da lei e da integridade do sistema de licitações.

De acordo com o blog entrelinhas, o mesmo grupo também teria recebido uma linha de ônibus da Agero. Ainda segundo o blog, no caso do fornecimento do marmitex, o objetivo teria sido ter acesso ao presídio, sem obter lucro. No caso da linha de ônibus, seria lavagem de dinheiro

Segundo o blog, informações dão conta de que o Comando Vermelho estaria atuando com força em Rondônia, expulsando moradores da área chamada de Terra Santa, na área rural de Porto Velho, e também colocando empresas para trabalhar na capital. A Polícia está investigando a ação criminosa na área rural do município.

Recentemente uma operação policial em São Paulo desbaratou um esquema do PCC, que envolvia uma empresa de ônibus, com suspeita de participação indireta da prefeitura paulistana. A Operação Fim de Linha constatou que o crime organizado montou uma empresa de ônibus para lavar dinheiro do tráfico, e ainda ganhou da prefeitura concessões de linhas.

Em Rondônia foi apurado que recentemente uma empresa criada há pouco tempo venceu a licitação para entrega de marmitex em um presídio de Porto Velho, oferecendo um preço muito baixo. Depois disso a cozinha teria sido interditada pela prefeitura, mas mesmo assim a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) continuou recebendo normalmente os marmitex.

A empresa seria ligada ao Comando Vermelho, e não teria objetivo de aferir lucro. A intenção seria apenas ter acesso aos presídios. Vale a pena lembrar que recentemente uma empresa de fachada do crime organizado foi utilizada para uma fuga no presídio de Mossoró–RN. Quando o crime organizado entra em presídio não é para ganhar dinheiro. É para ter acesso aos apenados.

Logo que a empresa recém-criada em Rondônia começou a fornecer marmitex para um dos presídios em Porto Velho, a cozinha industrial da empresa Caleche pegou fogo em Ji-Paraná. Tem gente dizendo que não seria coincidência.

A Sejus, apesar de o preço ser abaixo do normal e de a cozinha da empresa ter sido fechada pela prefeitura de Porto Velho, manteve o contrato com a empresa. Seria interessante se o serviço de inteligência investigasse a empresa, para verificar o que de fato está acontecendo. Preocupante se o crime organizado estiver tendo acesso a um presídio.

Outro ponto é que o crime organizado não pretende somente perder dinheiro com uma empresa. Geralmente é colocada uma outra, para ganhar o que foi perdido em planos para ter acesso a presídios. Em Rondônia existe uma empresa de ônibus que chegou há pouco tempo, mas ganhou uma linha da Agero.

O Tribunal de Contas do Estado está examinando como devem ser feitas as licitações para entrega de linhas, mas mesmo assim a Agero retirou uma linha da antiga Viação Rondônia, uma empresa que estava há muito tempo no estado, com base em denúncias supostamente forjadas, e entregou para a nova empresa.

O blog apurou que essa empresa nova está em nome de um ex-funcionário de uma outra empresa de ônibus. Ele teria dado um golpe na empresa onde trabalhava, e de repente apareceu em Rondônia com diversos ônibus. Os reais proprietários seriam os mesmos da empresa que fornece marmitex para a Sejus.

É fundamental que as autoridades conduzam uma investigação imparcial e transparente para determinar se houve qualquer irregularidade ou corrupção no processo de licitação. Além disso, medidas adequadas devem ser tomadas para garantir que o fornecimento de alimentos para os presídios seja realizado conforme os padrões legais e éticos, sem qualquer influência indevida do crime organizado ou de qualquer outra entidade criminosa. A transparência e a responsabilidade são essenciais para garantir a segurança e o bem-estar dos detentos e para manter a confiança pública no sistema de justiça.

Aí está um bom material para ser investigado pela inteligência do governo. Qual a razão de a Sejus ter mantido o contrato considerado inexequível, com uma empresa suspeita de estar ligada ao crime organizado. E qual a razão de a Agero ter entregue uma linha para uma empresa suspeita de ser usada para lavagem de dinheiro.

 

Continue Reading
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jotta Martins
Jotta Martins
12 dias atrás

MATÉRIA TRÁS DADOS PREOCUPANTES PARA SER DESVENDADOS E PROVA O VERDADEIRO JORNALISMO INVESTIGATIVO !!!

Por Jotta Martins Explica e Descomplica (10.mai.2024) sexta-feira às 10h35 jmartins360pvh@gmail.com

Graças o trabalho de investigação jornalística da equipe do BLOG, ENTRELINHAS, que continua trazendo informações “:COM VERTENTES PARA ESCLARECER OS VERDADEIROS CULPADOS”.

O tabuleiro já estar na mesa pronto para ser colocado em ação, apenas e necessário que procure solucionar o mais breve possível, até porque à sociedade continua esperançosos e espera um desfecho o mais rápido possível.

E muito importante que os escolhidos para a linha de frente dessa investigação tenha mão de ferro para conduzir o referido desafio.. Conforme o texto acima relata , possivelmente que já exitem organizações criminosa operando nas barbas das autoridades em Rondônia .

Resta relembrar os saudosos mão de onça, Walderedo Paivae e finalmente, o delegado João Lucenal Leal, ambos em memorian. deixaram o legado de respeito aos cargos que exerceram no Estado.

Jotta Martins Jornalista/Taquigráfo”Quem não deve não treme e a pura verdade”

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

1
0
Would love your thoughts, please comment.x
×

Olá!

Clique em um de nossos contatos abaixo para conversar no WhatsApp

× Canal de denúncias