Prefeitos de Rondônia em boate de striptease em Brasília retiram as fotos das redes sociais

‘Vai, prefeito’, gritavam assessores, quando o chefe decidia beijar uma das garotas que faziam streptease - Imagem reprodução/CN

Um dos prefeitos foi identificado imediatamente: ‘falso moralista, pois na cidade dele dá uma de santo’, disseram

Prefeitos que estiveram em boate de streptease em Brasília retiram as fotos das redes sociais. Essa situação sugere que provavelmente os prefeitos enfrentaram as repercussões negativas por isso foram forçados apagar os registros de sua presença no local.

Informações indicam que um dos prefeitos foi identificado e como em sua cidade dá uma de santo’, tomaram a decisão de apagar as fotos, numa tentativa de serem chamados de falsos moralistas e mitigar os danos às suas imagens pública e política.

Segundo a boca miúda, os dois farristas do interior de Rondônia que na última semana foram à boate de prostituição localizada a 800 metros da Esplanada dos Ministérios teriam decidido retirar as das redes sociais as fotos da viagem a Brasília, depois que vazou a notícia da farra. Um deles está muito desconfiado, mas aparentemente ainda não descobriram que ele estava na gandaia, mas o outro foi facilmente identificado.

“É um falso moralista, pois na cidade dele dá uma de santo, mas costuma ir para a farra quando viaja. É muito p#t#nh##r#. Apagou as fotos da viagem a Brasília, mas muita gente já sabe que ele estava na boate. Agora, quem era o outro?”, perguntou uma fonte do blog que reside no interior.

A equipe do blog entende. As cidades que eles administram são pequenas, por isso o jeito é ir na farra durante as viagens a trabalho.

O Entrelinhas apurou que os dois prefeitos foram até a Rondônia Rural Show, que acontecia em Ji-Paraná, olharam os estandes e conversaram com assessores do governo, mas ficaram apenas um dia. Pareciam ter pressa em ir para Brasília participar da marcha dos prefeitos, que acontece todo ano.

O Metrópoles citou que havia 50 garotas de programa à disposição de quem pudesse pagar

A coluna Na Mira, assinada pelos jornalistas Mirelle Pinheiro e Carlos Carone e postada no site Metrópoles, citou que as garotas de programa fazem a festa quando Brasília fica cheia de prefeitos. A boate precisa chamar mulheres de fora, para atender a clientela. O título do material foi o seguinte: Políticos caem na putaria em boate após evento no DF: “Vai, prefeito”.

Fontes do blog em Brasília já sabiam que deveria haver alguém de Rondônia na farra e foram até lá verificar. Depois, contaram ao Entrelinhas que os dois prefeitos do interior se assustaram quando um viu o outro. Disfarçaram, fizeram de conta que não se conheciam e foram para mesas distantes uma da outra.

De acordo com o que informou a coluna Na Mira, as garotas se hospedam no hotel anexo à boate, pois isso facilita o acesso ao quarto quando fisgam clientes. O preço do programa varia entre R$ 1 mil e R$ 2 mil. As fontes do blog informaram que em determinado momento os dois prefeitos de Rondônia sumiram, mas depois reapareceram. Não demoraram muito. São rápidos.

Ainda conforme a coluna Na Hora, a cerveja longneck não sai por menos de R$ 40,00 e uma garrafa de uísque 8 anos custa R$ 1,2 mil. O chamariz para as garotas mais caras é ostentar combos na mesa. Havia 50 delas para atender os prefeitos, algumas de outros estados.

“Vai, prefeito”, gritavam os assessores quando o chefe decidia beijar uma das garotas que fazia streptease ou se exibia no poledance.

Que ninguém estranhe se no interior de Rondônia começaram a dizer ao que já foi identificado: “Vai, prefeito”.

De qualquer forma, o estrago já foi feito. Porém, no futuro, quando os prefeitos e outros políticos forem a Brasília, certamente serão mais cautelosos para evitar situações semelhantes.

As garotas de programa se animavam quando ouviam os gritos: “Vai, prefeito”

Um dos prefeitos foi identificado imediatamente: ‘falso moralista, pois na cidade dele dá uma de santo’, disseram

Prefeitos que estiveram em boate de streptease em Brasília retiram as fotos das redes sociais. Essa situação sugere que provavelmente os prefeitos enfrentaram as repercussões negativas por isso foram forçados apagar os registros de sua presença no local.

Informações indicam que um dos prefeitos foi identificado e como em sua cidade dá uma de santo’, tomaram a decisão de apagar as fotos, numa tentativa de serem chamados de falsos moralistas e mitigar os danos às suas imagens pública e política.

Segundo a boca miúda, os dois farristas do interior de Rondônia que na última semana foram à boate de prostituição localizada a 800 metros da Esplanada dos Ministérios teriam decidido retirar as das redes sociais as fotos da viagem a Brasília, depois que vazou a notícia da farra. Um deles está muito desconfiado, mas aparentemente ainda não descobriram que ele estava na gandaia, mas o outro foi facilmente identificado.

“É um falso moralista, pois na cidade dele dá uma de santo, mas costuma ir para a farra quando viaja. É muito p#t#nh##r#. Apagou as fotos da viagem a Brasília, mas muita gente já sabe que ele estava na boate. Agora, quem era o outro?”, perguntou uma fonte do blog que reside no interior.

A equipe do blog entende. As cidades que eles administram são pequenas, por isso o jeito é ir na farra durante as viagens a trabalho.

O Entrelinhas apurou que os dois prefeitos foram até a Rondônia Rural Show, que acontecia em Ji-Paraná, olharam os estandes e conversaram com assessores do governo, mas ficaram apenas um dia. Pareciam ter pressa em ir para Brasília participar da marcha dos prefeitos, que acontece todo ano.

O Metrópoles citou que havia 50 garotas de programa à disposição de quem pudesse pagar

A coluna Na Mira, assinada pelos jornalistas Mirelle Pinheiro e Carlos Carone e postada no site Metrópoles, citou que as garotas de programa fazem a festa quando Brasília fica cheia de prefeitos. A boate precisa chamar mulheres de fora, para atender a clientela. O título do material foi o seguinte: Políticos caem na putaria em boate após evento no DF: “Vai, prefeito”.

Fontes do blog em Brasília já sabiam que deveria haver alguém de Rondônia na farra e foram até lá verificar. Depois, contaram ao Entrelinhas que os dois prefeitos do interior se assustaram quando um viu o outro. Disfarçaram, fizeram de conta que não se conheciam e foram para mesas distantes uma da outra.

De acordo com o que informou a coluna Na Mira, as garotas se hospedam no hotel anexo à boate, pois isso facilita o acesso ao quarto quando fisgam clientes. O preço do programa varia entre R$ 1 mil e R$ 2 mil. As fontes do blog informaram que em determinado momento os dois prefeitos de Rondônia sumiram, mas depois reapareceram. Não demoraram muito. São rápidos.

Ainda conforme a coluna Na Hora, a cerveja longneck não sai por menos de R$ 40,00 e uma garrafa de uísque 8 anos custa R$ 1,2 mil. O chamariz para as garotas mais caras é ostentar combos na mesa. Havia 50 delas para atender os prefeitos, algumas de outros estados.

“Vai, prefeito”, gritavam os assessores quando o chefe decidia beijar uma das garotas que fazia streptease ou se exibia no poledance.

Que ninguém estranhe se no interior de Rondônia começaram a dizer ao que já foi identificado: “Vai, prefeito”.

De qualquer forma, o estrago já foi feito. Porém, no futuro, quando os prefeitos e outros políticos forem a Brasília, certamente serão mais cautelosos para evitar situações semelhantes.

As garotas de programa se animavam quando ouviam os gritos: “Vai, prefeito”
0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

0
Would love your thoughts, please comment.x
×

Olá!

Clique em um de nossos contatos abaixo para conversar no WhatsApp

× Canal de denúncias