Surto de Ebola no oeste da África já deixou pelo menos 10 mortos

Seis pessoas morreram na Guiné e outras quatro na República Democrática do Congo; outros 17 casos já foram confirmados

O novo surto de Ebola em países da África ocidental já deixou 10 mortos, segundo divulgou a Organização Mundial de Saúde (OMS) nesta quarta-feira (24). Seis das vítimas morreram na Guiné, o primeiro país a declarar uma nova epidemia da doença, há pouco mais de uma semana, e outras quatro, na República Democrática do Congo.

Os dois países confirmaram, juntos, que têm 17 casos confirmados da doença: 9 na Guiné e 8 na RDC. Além disso, foram identificadas 1185 pessoas (394 na Guiné e 791 na RDC que tiveram contatos com as pessoas infectadas.

No caso da República Democrática do Congo, a OMS também divulgou que 658 pessoas já receberam a vacina contra o Ebola, um tipo de febre hemorrágica altamente contagioso transmitido pelo contato com animais infectados e pelos fluidos corporais das pessoas contaminadas. A Guiné iniciou a vacinação na terça-feira, mas ainda não forneceu números.

Chegada das vacinas

Este é o primeiro surto de Ebola na África Ocidental desde a epidemia de 2013-2016, que causou mais de 11.300 mortes, principalmente na Guiné, Libéria e Serra Leoa.

Fonte: R7

África pode ter mais 49,2 milhões de pessoas na pobreza extrema

De acordo com Banco de Desenvolvimento Africano, o impacto econômico do coronavírus é grande responsável por agravar essa situação

O impacto econômico da pandemia da covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, pode empurrar 49,2 milhões de pessoas à pobreza extrema na África, segundo cálculos do AfDB (Banco de Desenvolvimento Africano).

De acordo com a instituição, as pessoas que vivem com menos de US$ 1,90 por dia, que se enquadram nessa faixa crítica, poderiam chegar a 453,4 milhões de pessoas em 2020, no melhor cenário.

Na situação mais crítica prevista pelo AfDB, a quantidade poderia ser de 462,7 milhões.

Antes da propagação do novo coronavírus, já havia uma expectativa de alta na pobreza
Antes da propagação do novo coronavírus, já havia uma expectativa de alta na pobreza

Antes da propagação do novo coronavírus, já havia uma expectativa de alta no número de africanos vivendo na pobreza extrema, que segundo o Banco de Desenvolvimento poderia chegar a 425 milhões.

Segundo as previsões, a Nigéria e a República Democrática do Congo serão os dois países em que a população será mais afetada economicamente pela pandemia da covid-19.

Previsões otimistas

O AfDB indica que, se houver boa gestão da crise sanitária, com redução da curva e reabertura da economia, a economia da África, como um todo, pode crescer em 2021 em 3%, após uma queda de 3,4% prevista no pior cenário para este ano.

As expectativas, no entanto, são mais otimistas que a do Banco Mundial, que aponta para uma retração neste ano no continente entre 2,1% e 5,1%. O FMI (Fundo Monetário Internacional), por exemplo, considera que a crise econômica e de saúde africana será “sem precedentes”.

Ainda de acordo com as previsões da AfDB, os setores de turismo, transporte e entretenimento terão maior dificuldade para se recuperar.

Hoje, a África superou a barreira de 500 mil casos de infecção pelo novo coronavírus, sendo que quase 216 mil se concentram apenas na África do Sul.

Fonte: R7

%d blogueiros gostam disto: