Viajar de carro até a cidade de Manaus é uma viagem literalmente aos trancos e barrancos (veja o vídeo)

BR-319 - Foto: Handira Ramany

A BR-319 é, de fato, uma rodovia federal que liga Manaus, no estado do Amazonas, a Porto Velho, em Rondônia. Essa rodovia é conhecida por ser uma das principais vias de ligação entre a região norte do Brasil e o restante do país. No entanto, sua condição é frequentemente objeto de críticas devido às suas péssimas condições.

Percorrer quase 900 km de extensão é uma aventura que podemos chamar literalmente de viagem aos trancos e barrancos. Grande parte da estrada atravessa uma parte significativa da Floresta Amazônica. A falta de pavimentação transfigura a rodovia suscetível a problemas graves, especialmente durante a estação chuvosa, quando a estrada pode se tornar intransitável devido alagamentos.

É a única rodovia que liga por terra o Amazonas ao restante do país. Em alguns trechos, a rodovia fica totalmente intransitável, a lama e os buracos tomam conta da estrada, tornando-a a viagem difícil e perigosa, dificultando o transporte eficiente de mercadorias e passageiros, impactando a economia regional, o desenvolvimento local e a mobilidade da população.

O tema também envolve considerações sobre desenvolvimento sustentável, preservação ambiental e impactos sociais na região. Há debate contínuo sobre a necessidade de pavimentação e manutenção adequada da estrada para melhorar, sobretudo, o desenvolvimento econômico da região.

No verão, período mais seco, ainda é possível trafegar em muitos trechos, mesmo deixando para trás uma nuvem de poeira.

Em mais uma incursão na BR-319, Handira Ramany, correspondente do jornal Correio de Notícia, gravou um vídeo onde mostra um ônibus da EUCATUR sendo rebocado por uma escavadeira. Nesse dia, chovia muito e quando chove na região a viagem fica totalmente comprometida e perigosa.

Ônibus da EUCATUR sendo rebocado por uma escavadeira na BR-319 – Foto: Handira Ramany

Não podemos culpar o inverno amazônico com suas chuvas torrenciais ou até mesmo a floresta, que em muitos lugares invadiu a estrada. Podemos sim, sem dúvida, atribuir aos governantes que não ouvem o clamor da população e não pavimentam a estrada – apesar de não ser ouvidos, eles resistem bravamente na região e não aceitam mais deixarem de ser ouvidos.

Apesar da resistência do governo Federal, a construção e viabilização de trafegabilidade da BR-319 voltou ao centro das discursões, sob a regência da Ministra do meio Ambiente, Marina Silva, contraria a pavimentação da estrada. Num contexto extremamente controverso, em relação a realidade das alterações climáticas a ministra disse que, viabilizar a construção da BR-319 tem se tornado cada vez mais inviável.

“A estrada não foi feita porque é uma estrada difícil de provar a viabilidade econômica e social, não tenho duvido de que as pessoas querem o direito de ir e vir, mas, e a viabilidade econômica e ambiental?

A não ser que seja para converter as áreas de mais de 400 km de floresta virgem em outro tipo de atividade. Não tem viabilidade. Socialmente, até agente intende, agora, ambientalmente e economicamente – não se faz uma estrada de mais de 400 km no meio de uma floresta vigem apenas para passear de carro, se não tiver associado a um projeto produtivo”.

Diante das intransigências e incapacidade da Ministra de abordar adequadamente o assunto, o Parlamento Amazônico, que é composto por 251 deputados Estaduais que integram a Amazônia Legal, Rondônia, Acre, Amazonas, Amapá, Mato Grosso, Maranhão, Pará, Roraima e Tocantins, sob a Presidência do deputado estadual Laerte Gomes (PSD), “repudiaram” o posicionamento e a fala da ministra do meio Ambiente, Marina Silva.

Veja o védeo:

Redação/CN

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias