(CRÉDITO: REPRODUÇÃO / REDES SOCIAIS)

A atriz Glória Pires e o cantor Orlando Morais estão implicados em uma ação judicial movida pelo agropecuarista Afrânio Vivela na Justiça de Anápolis, Goiás.

A informação é do jornalista Alessandro Lo-Bianco.

O caso, que ganhou grandes proporções e envolveu até conflitos armados, diz respeito a uma disputa de terras atualmente registradas em nome da empresa SV ANAPOLIS AGROPECUARIA LTDA, da qual o casal e Severo Dias são sócios.

Conforme o processo, Afrânio alega ser o legítimo proprietário de um imóvel que faz parte da Fazenda Campo Largo. Ele acusa Durval Tissiani, outro agropecuarista e réu no processo ao lado de Pires e Morais, de invadir criminosamente suas terras, que teriam sido adquiridas ilegalmente pela empresa dos artistas.

Afrânio detalha que Durval se apresentou como proprietário das terras, que Afrânio afirma serem suas, e que fazem divisa com a fazenda Aroeira. Um laudo topográfico apresentado por Afrânio indica que o Córrego Canastra, divisa entre as propriedades, está sendo assoreado devido à ocupação ilícita e causando danos ambientais.

O agropecuarista relata que suas tentativas de reconstituir a cerca delimitando a área foram sistematicamente sabotadas pelos ocupantes, que derrubam a cerca para plantar soja e deixam a terra em descaso após a colheita. Segundo Afrânio, Durval tem um histórico de tentativas de apropriação de terras, com múltiplos processos em diversos estados.

A acusação também menciona tentativas de registro indevido das terras no cartório com “informações falsas” e formação de “organização criminosa” para tomar terras, especialmente de idosos.

Afrânio alega que a situação se complicou quando Durval vendeu as terras por R$ 20 milhões para Pires, Morais e Dias. Ele questiona a legitimidade da negociação, apontando problemas como a inclusão de terras que seriam suas e alegações falsas sobre os limites geográficos. Além disso, destaca que Severo Dias, sócio do casal, atuou como procurador do antigo proprietário nas negociações, levantando suspeitas de fraude.

Afrânio afirma que a invasão de suas terras pelos réus o impediu de exercer atividades agrárias, deixando-o financeiramente incapaz de arcar com custas processuais.

O agropecuarista solicita à Justiça que proíba qualquer transação com as terras em disputa e pede indenização de R$ 200 mil dos réus, incluindo Pires e Morais.

O juiz Pedro Paulo de Oliveira concedeu parcialmente uma medida cautelar para suspender transações com os imóveis. Após a decisão, Afrânio relatou uma nova invasão da propriedade, levando o caso novamente à polícia.

Após novas invasões, a Justiça reformou parcialmente sua decisão, mantendo a proibição de novos negócios com o terreno, mas permitindo a continuidade da plantação pelos “supostos invasores”.

Em novembro de 2023, Severo informou à Justiça sobre uma invasão armada no terreno, solicitando reintegração imediata com acompanhamento policial.

Surpreendentemente, a Justiça decretou a revelia de Pires, Morais e Durval por não se apresentarem no processo. Um “Curador Especial” foi nomeado para apresentar uma defesa mínima para o casal.

A ação segue em tramitação, aguardando novas decisões da Justiça de Anápolis.

Source: Jornal do Agro

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
× Canal de denúncias