Hildon Chaves anuncia em redes sociais vacinação para pessoas de 30 anos

A primeira dose da imunização segue na Faculdade FIMCA . Porém somente cadastrados no Sasi.

O prefeito Hildon Chaves (PSDB), anunciou através das redes sociais nesta sexta-feira (23), que reduziu pelo terceiro dia seguido, a idade de vacinação contra o coronavírus. A partir de hoje, moradores com 30 anos já podem ser imunizados.

Segundo o chefe do poder executivo, a população dessa idade já pode ir na Faculdade FIMCA para receber o imunizante, pois é necessário apenas o cadastro no aplicativo SASI.

Para receber o imunizante contra a Covid, após fazer o cadastro, a pessoa precisa levar na faculdade um documento de identificação com foto, comprovante de residência e Cartão do SUS.

Até 16h, a primeira dose será aplicada apenas na faculdade FIMCA. Mas a partir de 18h haverá drive-thru no prédio do Relógio, sede da prefeitura, também para o público de 30 anos.

“Estamos baixando para 30+. Vacinação liberada na FIMCA. Você que tem disponibilidade já pode ir no local, a movimentação está tranquila e a estrutura bem bacana”, disse Hildon.

Até a quinta-feira (22), a prefeitura estava aplicando vacina para o público de 31 anos.

“Como eu tenho dito em várias publicações, nós não levamos vacina de volta para o depósito, quero vacina no braço dos portovelheneses”, disse o chefe do executivo.

A segunda dose segue sendo aplicada na Faculdade São Lucas, sem que seja necessário agendamento.

O cadastro para agendar a vacina está aberto para toda população de Porto Velho e deve ser realizado pelo aplicativo Sasi.

Fonte: Assessoria

Prefeito visita obras do conjunto habitacional no bairro Socialista

Famílias inscritas devem ficar atentas para a atualização cadastral na Semur

A construção de 269 unidades habitacionais populares na rua Osvaldo Ribeiro, no bairro Socialista, segue em ritmo acelerado. O prefeito Hildon Chaves, acompanhado do vice-prefeito Maurício Carvalho, visitou o canteiro de obras, na segunda-feira (12). “É um trabalho importantíssimo que vai beneficiar famílias que aguardam e estão sem moradias há muito tempo” disse o prefeito durante a visita.

Prefeito esteve vistoriando as obras do residencial
Prefeito esteve vistoriando as obras do residencial junto com o Vice

A entrega da obra vai proporcionar a realização de um sonho para centenas de pessoas em Porto Velho. “Eu não queria pagar aluguel porque o dinheiro é pouco. É uma coisa que pra mim fica difícil trabalhar pra comprar uma casa. Está difícil o emprego hoje”, afirma Aldineia Ribeiro, uma das contempladas com o empreendimento.

As obras do residencial foram retomadas em março deste ano. E para selecionar as famílias que terão direito aos imóveis, a Prefeitura Municipal intensificou a atualização do cadastro das famílias que poderão ser beneficiadas com os imóveis.

Cada imóvel contém dois quartos, um banheiro, uma cozinha e uma sala integrada. A área construída é de 38 metros quadrados.

Conforme o planejamento feito pela Secretaria Municipal de Regularização Fundiária, Habitação e Urbanismo (Semur), 10 casas serão destinadas a pessoas com deficiência (PCD).

Segundo a gerente da Divisão de Levantamento Socioeconômico da Semur, Cristiane de Castro, a revisão do cadastro das famílias é feita para verificar a atual condição socioeconômica dos beneficiários.

“É preciso atender a um perfil específico. E é este trabalho que nós estamos realizando. Vamos conferir se há famílias que foram atendidas em outro empreendimento ou que foram embora da cidade. Casos assim são excluídos do cadastro. Temos um cadastro de reserva de pessoas que estão aguardando a oportunidade de obter sua moradia”, explicou.

A atualização do cadastro apresenta algumas dificuldades. Uma delas é a localização das pessoas inscritas. Muitas mudaram de endereço ou contato telefônico. De 97 famílias cujo cadastro está sendo revisado, 20 não foram encontradas. “As famílias que se enquadram no perfil devem levar os documentos até a Semur para a atualização documental”, orienta Cristiane de Castro.

“As que não forem localizadas terão seus nomes publicados no Diário Oficial do Município para que seja dada publicidade e transparência aos atos. O não comparecimento no prazo determinado acarretará a exclusão da inscrição”, explica a gerente.

Fonte: Semur

Hildon chaves fala sobre decreto estadual que liberou eventos com até 999 pessoas na capital

Prefeito citou ainda que as festas de final de ano, por exemplo, provocaram a segunda onda da Covid-19.

O prefeito Hildon Chaves (PSDB) disse em entrevista, nesta sexta-feira (18), que Porto Velho vai publicar um decreto municipal para proibir os eventos com até 999 pessoas, liberados pelo governo estadual.

“Está sendo confeccionado um novo decreto e nós deveremos estar divulgando via imprensa durante a tarde desta sexta-feira. Depois de praticamente um ano confiando na condução, nos decretos do governo estadual, e em razão da excessiva abertura nesse momento de absoluta gravidade [da pandemia], nós não podemos cometer o mesmo erro, ou concordar que se repita o erro da abertura excessiva”, afirmou Hildon ao vivo no Jornal de Rondônia.

Hildon citou ainda que as festas de final de ano, por exemplo, provocaram a segunda onda da Covid-19, que o estado enfrenta nesse momento.

“Todos os especialistas do mundo apontam a ocorrência de uma terceira onda nas próximas semanas. E nós vamos ajustar algumas questões, revendo o decreto do governador, no sentido principalmente da liberação com eventos de até 999 pessoas. Isso é bizarro. Boates vão continuar sem poder funcionar pelo nosso decreto. O momento ainda de muita cautela. Nós só temos quase 8% da população vacinada em Rondônia com a segunda dose”, explica Hildon.

Segundo Hildon Chaves, o novo decreto municipal não vai fechar os bares e restaurantes da capital, pois o grande problema nesse momento seria a reabertura das boates.

“Na questão dos restaurantes e bares, a tendência é que nós estendamos um pouco o prazo para que ele funcione, inclusive com bebida alcoólica. Provavelmente, eu acredito que vai ficar até 1h da manhã o funcionamento dos bares e restaurantes. 1h da manhã encerra, fecha tudo. Então, com isso, nós atendemos e esse setor vai estar com 95% dos seus faturamento, seus empregos e suas demandas atendidas”, diz.

Para o chefe do executivo municipal, a reabertura de boates poderia impactar e fechar o comércio dentro de algumas semanas, devido ao número de infecções por coronavírus, que tenderia a aumentar.

Na quinta-feira (18), o estado publicou um decreto permitindo eventos com até 999 pessoas e reuniões e casamentos com 150 convidados.

Para ser realizado o evento com distribuição de bebidas alcóolicas (bares, boates e casas de shows), o estado afirmou que os organizadores devem fornecer álcool gel 70%, teste para Covid-19, aferição de temperatura, espaçamento entre as mesas, sendo 1,20 metro de distância.

O documento determina que nos eventos não será permitido a participação de pessoas com temperatura superior 37,8°C ou sintomas gripais.

Fonte; Rede Amazônica

Hildon Chaves participa de reunião da Comissão de Habitação e Assuntos Municipais na casa de Lei

Reunião também contou com a participação de prefeitos do interior do Estado

Prefeito defendeu a busca de uma solução para as dívidas das empresas

Ao participar de reunião da Comissão de Habitação e Assuntos Municipais da Assembleia Legislativa (ALE-RO) nesta terça-feira (15), o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, defendeu a busca de uma solução para as dívidas que grandes empresas têm com o estado. Os débitos, atualmente, estão em torno de R$ 10 bilhões.

Segundo Hildon Chaves, que também é vice-presidente de Relações com o Judiciário da Frente Nacional de Prefeitos, durante a pandemia os municípios estão gastando mais e arrecadando menos, de modo que se os grandes devedores honrarem seus compromissos haverá recursos para serem investidos em benefício da população.


A reunião foi presidida pelo deputado Alan Queiroz e teve a participação dos parlamentares Ismael Crispim, Cirone Deiró e Anderson Pereira, além de representantes das prefeituras.

O débito de R$ 200 milhões que o grupo Energisa tem com o estado foi um dos temas citado na reunião.

O assunto começou a ser tratado em 2019, mas não houve consenso quanto aos valores que deveriam ser repactuados através do Programa de Incentivo à Regularização Fiscal (Refis).

De acordo com o prefeito de Porto Velho, não faz sentido um Refis assim quando se busca recuperar créditos tributários a favor do Estado. “Ninguém pode ser contra isso. É sempre uma oportunidade de ingresso de recursos, mas, na prática, o tiro sai pela culatra. Porto Velho tinha cerca de R$ 50 milhões para receber, hoje são R$ 35 milhões”, revelou.

O prefeito disse que a dívida não foi paga e a empresa entrou na Justiça por causa do limite do Refis.”Resolvamos essa questão de uma vez por todas, antes que venha mais um Refis e mais outros. Assim, teremos a possibilidade de receber os valores para investir em nossa cidade. Eu confio integralmente nesta Casa de Leis e acredito que nenhum deputado se posicionará contra o povo”, completou.

MUNICÍPIOS

Segundo o prefeito de Urupá, Célio Lang, que é presidente da Associação Rondoniense dos Municípios de Rondônia (Arom), há interesse do Estado em resolver a questão, mas os municípios estão ansiosos para receber a parte que lhes cabe. “Os grandes devedores têm débitos de bilhões de reais. Estes recursos podem ser aplicados na educação, na saúde, em outros setores, e isso vai fomentar todo o Estado, sobretudo neste momento de crise”, destacou.

Os participantes da reunião concordaram em apresentar uma proposta que viabilize o recebimento dos valores devidos ao Estado, que posteriormente deverá distribuir os recursos aos municípios.

Prefeitos que participaram da reunião concordaram que os municípios passam não só pela crise econômica, mas também têm dificuldades no atendimento à população por conta da pandemia de Covid-19.

Fonte; Comdecom

Hildon Chaves se reúne com presidente da casa de leis para tratarem sobre rumos da economia na capital

Encontro serviu para discutir mecanismos que podem alavancar o setor produtivo no período pós-pandemia no estado.

O fortalecimento das economias de Porto Velho e do estado foram os principais temas da conversa que o prefeito Hildon Chaves e o deputado Alex Redano, presidente da Assembleia Legislativa, tiveram quarta-feira (9), na Casa de Leis.

Na visita de cortesia que faz ao parlamentar, Hildon Chaves tratou de temas como a recuperação do comércio após o controle da pandemia da Covid-19, conservação das estradas rurais, apoio aos distritos da Capital e políticas públicas para a geração de emprego e renda.

“Nosso compromisso é com o desenvolvimento econômico do município e o bem-estar da nossa população. Por isso é relevante o diálogo com o deputado Alex Redano, que é presidente do legislativo estadual”, disse o prefeito sobre a visita.

O prefeito agradeceu a Alex Redano pela cordialidade e o parabenizou pela maneira serena e respeitosa como vem conduzindo a presidência da Casa de Leis (ALE), destacando o diálogo com os demais poderes.

REUNIÃO

Redano convidou o prefeito para participar, em seguida, de reunião com outros prefeitos no gabinete da presidência, da qual também participaram o secretário de finanças estadual, Luiz Fernando, e o presidente da Associação dos Prefeitos de Rondônia (Arom), Célio Lang.

Na reunião prevaleceu a pauta dos impactos causados pela pandemia e a adoção de medidas capazes de alavancar a economia assim que a Covid-19 estiver controlada.

Fonte: Comdecom

Hildon Chaves se reúne com secretário Jorge Luiz para tratar sobre projeto redução custo Brasil

Segundo o secretário, a proposta do governo é reduzir R$ 1,5 trilhão de custos que afetam o setor produtivo do país em 10 anos.

O prefeito Hildon Chaves recebeu na quinta-feira (13), a visita do secretário de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação do Ministério da Economia, Jorge Luiz. Também participaram do encontro, na sede da Prefeitura de Porto Velho, o secretário geral de governo Fabrício Jurado e o presidente da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho (ADPVH) e presidente da Federação das Indústrias de Rondônia (Fiero), Marcelo Thomé.

Durante a visita, Jorge Luiz falou sobre a agenda no Estado, que tem como pauta principal a divulgação e o pedido de apoio ao setor produtivo para a implementação do projeto Redução do Custo Brasil, que é o conjunto de ações do governo federal para retirar dificuldades que prejudicam o setor produtivo brasileiro.

Segundo o secretário, a proposta do governo é reduzir R$ 1,5 trilhão de custos que afetam o setor produtivo do país em 10 anos. O secretário explicou que há potencial para atenuar um percentual anual deste valor e a subsequente aplicação dos recursos no desenvolvimento e aperfeiçoamento da competitividade do país.

Outros assuntos como os marcos legais que estão tramitando no Congresso como saneamento, ‘startup’ e empreendedorismo, que interessam diretamente ao setor produtivo também foram debatidos no breve encontro.

Hildon Chaves manifestou que os esforços para a redução do Custo Brasil atendem a demandas nacionais. “Muita força é desperdiçada com problemas estruturais que travam o setor produtivo”, afirmou o prefeito. Ele destacou ainda que adotou iniciativas no município para desburocratizar e modernizar ainda mais a gestão. “É a nossa contribuição para facilitar o avanço no desenvolvimento”, concluiu.

Fonte: Comdecom

Hildon Chaves explica que não há risco de prejuízo com negociação de compra da vacina contra covid

Pelo menos 400 mil doses da vacina AstraZeneca estariam em negociação para compra.

Surpreendido com a operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, que teve como alvo a negociação de vacinas contra a Covid-19, o prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, decidiu embarcar imediatamente para capital carioca onde o inquérito está instaurado. Ele quer obter maior conhecimento dos fatos para, assim, subsidiar futuras decisões.
Hildon afirma que o Município não teve nenhum prejuízo financeiro já que os termos de negociação asseguraram a liberação da Carta de Crédito somente 10 dias úteis após o embarque do lote em Londres.

De acordo com o prefeito Hildon Chaves, os representantes da empresa Ecosafe Solutions mantinham contato diariamente garantindo o envio das 400 mil doses. “Não havia, até esta manhã, nenhum motivo para acreditarmos em má-fé da empresa e seus representantes”.

Hildon Chaves também explicou que a empresa e seus representantes passaram por uma investigação social e que nada foi encontrado a ponto de desabonar a conduta da equipe e colocar em dúvida a negociação da vacina Astrazeneca/Oxford. “Ainda assim, repito, todas as medidas de segurança para evitar danos ao erário do município foram tomadas”.


O prefeito Hildon Chaves afirmou que, na esperança de imunizar os portovelhenses, busca sempre negociar vacinas. “Fizemos isso com a Coronavac. A negociação de 80 mil só não foi adiante porque o governo federal firmou contrato com o Instituto Butantan. O que não podemos é ficar de braços diante dessa tragédia humanitária que vivemos”.

Fonte; Assessoria

Prefeitura vai investir R$ 320 mil para reforma do Centro Integrado da Criança e do Adolescente de Porto Velho

A gestão do espaço ficará sob responsabilidade da Secretaria Municipal de Assistência Social e da Família (Semasf).

O prefeito Hildon Chaves assinou, na terça-feira (13), a ordem de serviço para as obras de reforma do Centro Integrado da Criança e do Adolescente (Cica), localizado na Avenida Prefeito Chiquilito Erse (antiga Rio Madeira), zona Norte da cidade. O investimento é de cerca de R$ 320 mil.

Segundo Hildon Chaves, serão feitas pintura, reforma do telhado, piso e rede elétrica. Concluídas as obras, o local voltará a oferecer serviços à comunidade, principalmente, aos jovens de 12 a 17 anos em situação de vulnerabilidade.

“É neste espaço que ocorre o fortalecimento dos vínculos familiares. Trabalhos como a prática esportiva e dança são eficientes para afastar nossa juventude do mau caminho. É por isto que estamos empenhados na restauração do Cica”, destacou o prefeito.

A gestão do espaço ficará sob responsabilidade da Secretaria Municipal de Assistência Social e da Família (Semasf), que tem como foco proporcionar a convivência, formação para a participação cidadã, desenvolvimento do protagonismo juvenil e das habilidades e competências dos jovens assistidos.

O secretário da Semasf, Claudi Rocha, disse que as ações que serão executadas no Cica seguirão pautadas em experiências lúdicas e culturais que viabilizem a expressão, interação, aprendizagem, sociabilidade e proteção social.

De acordo com a Semasf, no Cica serão oferecidas aulas de violão, flauta, instrumentos de percussão, balé, atividades coletivas e informativas.

O projeto da reforma elaborado pela Secretaria Municipal de Resolução Estratégica de Convênios e Contratos (Semesc) prevê que os serviços serão executados em uma área construída de 812,01 m², pela empresa vencedora do edital de tomada de preços coordenado pela Superintendência Municipal de Licitações (SML).

Participaram da cerimônia de assinatura da ordem de serviço o vice-prefeito Maurício Carvalho, a secretária-adjunta da Semasf, Joelna Holder, e outros coordenadores de serviços.

Fonte: Comdecom

Prefeito Hildon Chaves adere a consórcio nacional para comprar vacinas

Grupo com 300 prefeituras firma compromisso de organizar compra conjunta a preços justos

O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, firmou em Brasília, nesta terça-feira (02), protocolo de intenções para aderir ao consórcio público que será instituído pela Frente Nacional de Prefeitos para a aquisição de vacinas contra a Covid-19. Segundo ele, a iniciativa leva em conta os atrasos no cronograma nacional de vacinação.PUBLICIDADECONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inicialmente, serão envolvidos cerca de R$ 10 milhões, recursos oriundos da União e contrapartida da Prefeitura de Porto Velho. O caminho até a compra das vacinas, entretanto, ainda está no início segundo o prefeito.

“O mundo inteiro está demandando os insumos e as vacinas, o que torna a situação muito complexa”, destacou Hildon Chaves. Para ele, o quadro é agravado pelo fato do calendário nacional de vacinação estar atrasado.

ALTERNATIVAS

Além de aderir ao consórcio nacional, que envolve cerca de 300 prefeituras de todo o país, outras alternativas estão sendo adotadas, segundo HIldon Chaves. “A situação é muito difícil de ser resolvida, mas não quero abrir mão de nenhum dos caminhos possíveis. Vamos atuar em mais de uma frente”, esclareceu. Já há conversações adiantadas, segundo Hildon Chaves, com o Tribunal de Justiça, Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado e governo estadual em busca de soluções para a compra das vacinas.

Hildon-Chaves-adere-a-consorcio-nacional-para-comprar-vacinas-doc-convertido

INÍCIO

Hildon Chaves deixa claro que ainda não é possível garantir detalhes como a data em que será feita a aquisição da vacina. “Estamos iniciando tratativas que se tornaram viáveis a partir da decisão do STF anunciada no dia 23 de feveiro”, esclareceu.

Em dezembro de 2020, ele esteve no Instituto Butantan, em São Paulo, e firmou compromisso de compra da vacina, pois o governo federal estava emitindo sinais de que não faria aquisições daquele laboratório. Houve mudança na postura e União passou a fazer a compra em caráter de exclusividade. As negociações iniciadas pela Prefeitura de Porto Velho restaram prejudicadas.

LABORATÓRIOS

“O Brasil está atrasado no processo e a vacinação é feita a conta-gotas, infelizmente”, lamenta o prefeito. Ele acredita que o consórcio nacional é um caminho viável para as negociações com os laboratórios, sem abrir mão de buscar preços justos no mercado.

Atualmente, cabe a Marcelo Thomé, presidente da Agência de Desenvolvimento de Porto Velho, fazer a interlocução com os laboratórios. “Temos outros colaboradores como os prefeitos das capitais, incluindo os de São Paulo e Rio de Janeiro. Todos trabalhando em conjunto, correndo contra o tempo”, conclui o prefeito.

Fonte: SMC – Texto: Nonato Cruz

Hildon Chaves assina ordem de serviço para a construção de 269 casas

Mais de R$ 10 milhões serão investidos na reconstrução do conjunto no bairro Socialista

Prefeito assina ordem de serviço para a construção de 269 casas | Tudo  Rondônia - Independente!
O financiamento da construção da ordem de serviço faz parte do programa Pró Moradia.

Foi assinada na tarde de segunda-feira (1º), a ordem de serviço orçada em mais de R$ 10 milhões para a retomada da construção de 269 unidades habitacionais na rua Osvaldo Ribeiro, no bairro Socialista, em Porto Velho. Os recursos para conclusão da obra são remanescentes de quatro fontes, sendo três contratos de repasses (FNHIS III, FNHIS IV e FNHIS 2009) e um financiamento do Programa Pró Moradia.

De acordo com o prefeito Hildon Chaves, essa iniciativa vai dar mais dignidade a essas famílias que sairão do aluguel e poderão ter um lar próprio.

“Em 10 meses, até o final do ano, é possível que essas famílias possam passar o natal dentro do seu imóvel, da sua residência”, declarou.

O senador Marcos Rogério, que esteve presente na cerimônia destacou a importância desta iniciativa da prefeitura de Porto Velho.

A assinatura da Ordem de Serviço aconteceu no auditório da Prefeitura de Porto Velho e contou, também, com a presença do secretário-geral de Governo, Fabrício Jurado, e o secretário municipal de Obras, Diego Lage, além de representantes da construtora responsável pela obra e líderes comunitários.

Fonte: Comdecom