Prefeitura cria projeto de lei para baixar valor da passagem do transporte coletivo para R$ 1 a partir de maio

Redução será possível através de subsídio de R$ 6 milhões bancado pelo executivo municipal

Porto Velho, RO – O prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves (PSDB), enviou na segunda-feira (5) um projeto de lei à Câmara Municipal para reduzir o valor da passagem do transporte coletivo para R$ 1 a partir de maio.

Para garantir a tarifa ao usuário com valores menores, a prefeitura prevê repassar até R$ 6 milhões em subsídio. A redução prevista no projeto de lei deve durar até o fim de 2021, com aumento gradativo da tarifa mês a mês, até o retorno da tarifa normal, conforme tabela abaixo.

Tarifa proposta para o transporte coletivo de Porto Velho até dezembro de 2021

MesesValor
Maio, junho e julhoR$ 1
Agosto, setembro e outubroR$ 2
Novembro e dezembroR$ 3

Fonte: Prefeitura de Porto Velho

Conforme o projeto, o objetivo da medida é permitir a continuidade e manutenção do serviço e o reequilíbrio econômico-financeiro da empresa concessionária do transporte coletivo urbano, que sofre com a baixa demanda de usuários.

O documento enviado aos vereadores relata que o número de passageiros que usam o serviço é significativamente menor que o previsto na licitação e no contrato firmado. Com isso, a empresa buscou a Secretaria Municipal de Transportes (Semtran), que entendeu como necessário o reequilíbrio das contas.

Conforme a Câmara Municipal, o projeto de lei foi votado nesta terça-feira (6) e aprovado por maioria.

Fonte: g1/RO

Operação da PF desbarata quadrilha que aliciava pessoas para o transporte de drogas por meio de intimidação e ameaças

“A droga era transportada na mala que seria despachada”

A Polícia Federal (PF) de São Paulo prendeu nesta quarta-feira (20) cinco integrantes de um grupo responsável pelo aliciamento de pessoas usadas para fazer o transporte de cocaína do Brasil para o Líbano. Outros três investigados estão foragidos. Além de comprar a droga na Colômbia, trazer para o Brasil e aliciar pessoas, os criminosos providenciavam a hospedagem, o transporte com as malas, os contatos e a recepção das remessas no Líbano.

“Eles sempre colocavam com a mula [pessoa que leva a droga] um acompanhante para evitar que o aliciado desistisse de concluir a missão, por meio de intimidação e ameaças.

O objetivo era garantir que as mulas embarcassem, assim o acompanhante ficava até o momento do check-in. Quando ocorriam abordagens pela polícia, essas pessoas desapareciam para não serem pegas. “A droga era transportada na mala que seria despachada”, informou a Polícia Federal.

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em São Paulo, Jundiaí e Foz do Iguaçu. Também foram efetivadas medidas judiciais de bloqueio de valores e sequestros de veículos, imóveis e dinheiro, que totalizaram aproximadamente R$ 132 milhões. Com os integrantes da quadrilha foram apreendidos também mais de 60 quilos de cocaína e R$ 250 mil.

“Uma das características desse grupo é a de que os pagamentos para as mulas só eram feitos depois de duas ou três viagens e variavam entre US$ 15 a 25 mil. A organização é libanesa e já atua há pelo menos quatro anos. As mulas são geralmente estrangeiros, libaneses”, afirmou a PF.

As investigações estão em andamento desde 2017 e os membros da organização foram identificados devido a delações premiadas. Uma das dificuldades para concluir a operação Overweight foi a de que os criminosos sempre mudavam de endereço. “Para executar a operação hoje, muitos endereços foram obtidos na semana passada”, disse a PF.

Os envolvidos responderão pelos crimes de tráfico internacional de entorpecentes e organização criminosa.

Fonte: JCO

Semtran recebe micro-ônibus para transportar agentes de trânsito de Porto Velho

Veículo ficará disponível para a Escola Vivencial de Trânsito, à disposição dos agentes de trânsito que realizam a fiscalização e as ações de educação para o trânsito

A Prefeitura de Porto Velho, através da Secretaria Municipal de Trânsito, Mobilidade e Transportes (Semtran), recebeu na terça-feira (22), um micro-ônibus Volare, da marca Marcopolo, para atender aos agentes de trânsito de Porto Velho.

O veículo é um dos recursos recebidos da Energia Sustentável do Brasil, através do convênio UHE Jirau nº 168/2012 e ficara disponível para a Escola Vivencial de Trânsito, à disposição dos agentes de trânsito que realizam a fiscalização e as ações de educação para o trânsito, como forma de proporcionar melhoria no trabalho de educação e agentes da Semtran.

Fonte: Comdecom

Capital de Rondônia, mais uma vez fica sem transporte coletivo

Restou aos usuários, mais uma vez, recorrer ao transporte alternativa

Porto Velho, RO – Mais uma vez a população de Porto Velho fica sem ônibus. Desta vez não foi por conta de uma nova greve que a população ficou sem transporte coletivo. De acordo com informações obtidas com exclusividade, na manhã desta quarta-feira (23), junto ao sindicato, motoristas e cobradores, ‘tudo que se sabe é que parte da frota que ainda circulava, precariamente, teriam sido arrestado pela Justiça’.

Outra informação, ainda não confirmada pela reportagem, dá conta de que ‘ao menos dez veículos haviam sido deslocados para lugares incerto e não sabido’; e/ou supostamente, vendidos a empresas que atuam no interior do estado, mais precisamente, em Machadinho D’Oeste e Cone Sul do Estado’.

Sem um pronunciamento oficial sobre a verdadeira destinação da frota sob a responsabilidade do CONSÓRCIO SIM, segundo uma servidora do gabinete da SEMTRAN, informou sob o sigilo da fonte que, ‘um servidor técnico teria ido à sede da empresa, verificar o que havia ocorrido’. No entanto, deu qualquer detalhes sobre como a Prefeitura iria solucionar a polêmica envolvendo o sistema de transporte coletivo.

SEM SAÍDA – Restou aos usuários, nesta manhã, segundo atestou a Reportagem, mais uma vez, recorrer ao transporte de condução alternativa como: taxi-compartilhado e moto-taxi, pagando mais caro que o ônibus R$ 1,20 em relação aos R$ 3,80 pelo preço da passagem comum.

Ao contrário do titular da SEMTRAN, Nilton Krisner, não foi encontrado durante toda  a manhã desta quarta-feira (23), o prefeito Hildon Chaves, em uma live na sua página pessoal na Internet, reiterou que ‘o serviço de transporte coletivo parou de vez na cidade’.

O tucano afirmou, ainda, que, ‘a empresa estava funcionando na UTI e os últimos dez carros que estavam circulando simplesmente pararam’. E na ocasião, anunciou que a nova concessionária começa a operar a partir do dia 19 de outubro’. E assegurou que: devido a gravidade da situação, no máximo duas semanas, os ônibus estarão nas ruas de Porto Velho’- com a tarifa de R$ 4,05.  

Por Xico Nery | Redação/CN

PF investiga 4 organizações criminosas, atuando no tráfigo internacional de drogas

Os traficantes usavam helicópteros e aviões no transporte das drogas

A Polícia Federal (PF) deflagrou nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (18) a Operação Além-Mar, que investiga o tráfico internacional de drogas no país. Segundo a PF, Quatro organizações criminosas autônomas, atuando em conexão, enviaram toneladas de cocaína para a Europa, usando os portos de vários estados, entre eles, o Porto de Natal no Rio Grande do Norte.

A primeira célula criminosa, estabelecida na cidade de São Paulo, fazia sistematicamente a “internação de cocaína através da fronteira do Brasil com o Paraguai, transportando-a via aérea até o estado de São Paulo e distribuindo-a no atacado para organizações criminosas estabelecidas no Brasil e na Europa. Um segundo grupo criminoso, em Campinas, recebia a cocaína para distribuição interna e exportação para Cabo Verde e Europa.

A terceira célula criminosa, localizada no Recife, integrada por “empresários do setor de transporte de cargas, funcionários e motoristas de caminhão cooptados, e provê a logística de transporte rodoviário da droga e o armazenamento de carga até o momento de sua ocultação nos containers”.

A quarta parte da organização criminosa, era estabelecida na região do Braz, em São Paulo, e atuava como “banco paralelo, disponibilizando sua rede de contas bancárias para movimentação de recursos de terceiros, de origem ilícita, mediante controle de crédito/débito, cujas restituições se dão em espécie e a partir de TEDs, inclusive com compensação de movimentação havida no exterior (dólar-cabo)”.

Os policiais federais cumprem 139 mandados de busca e apreensão e 50 de prisão, sendo 30 de prisões temporárias e 20 de prisões preventivas. A Justiça Federal determinou também a apreensão de cinco helicópteros, sete aviões, 42 caminhões e 35 imóveis urbanos e rurais, além do bloqueio de R$ 100 milhões.

As ações ocorrem em endereços relacionados aos investigados nos estados de Pernambuco, Santa Catarina, São Paulo Alagoas, Mato Grosso do Sul, Goiás, da Bahia, Paraíba, do Ceará, Pará, Paraná, Rio Grande do Norte e no Distrito Federal.

Segundo a PF, as investigações começaram há 4 anos pela superintendência de Pernambuco.

Fonte: Aécio Amado A/B

Senado votará alterações no CTB para o transporte de crianças

Texto aprovado pela Câmara mantém multa para o transporte irregular

Tramita no Senado Federal o texto aprovado pela Câmara Federal do Projeto de Lei 3267/19, que visa promover uma série de reformulações no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Entre os temas mais polêmicos e debatidos estão os relacionados ao transporte incorreto de crianças no trânsito. Uma preocupação das entidades de proteção às crianças era que as penalidades fossem retiradas do projeto ou minimizadas.

Novidades relacionadas à segurança das crianças

A ONG Criança Segura, organização não governamental que tem a missão de promover a prevenção de acidentes com crianças e adolescentes até 14 anos, identificou novos pontos positivos no PL. O texto aprovado pela Câmara, além de manter a penalidade para o não uso da cadeirinha, amplia a obrigatoriedade do uso de dispositivos de retenção veicular para crianças de até 10 anos de idade ou 1,45 metro de altura. Também houve um avanço em relação ao transporte de crianças em motocicletas. Agora, somente crianças a partir dos 10 anos de idade poderão ser conduzidas nesse meio de transporte.

Segundo a entidade, o trânsito é a principal causa de morte acidental de crianças e adolescentes de zero a 14 anos no Brasil. Em média, três crianças morrem por esse motivo diariamente, sendo a maioria desses óbitos decorrentes de acidentes de carro; só em 2018, 313 mortes.

Conforme a Criança Segura, os dispositivos de retenção veicular são a única forma segura de transportar crianças dentro de um veículo. Os bancos dos carros e os cintos de segurança são projetados para pessoas com mais de 1,45 m de altura que, segundo o IBGE, é atingida pelas crianças brasileiras por volta dos 11 anos de idade. Utilizar o equipamento correto para cada idade, peso e altura é essencial para que a criança esteja, de fato, protegida em caso de um sinistro. Quando usados corretamente, os dispositivos de retenção veicular reduzem em até 71% o risco de morte em caso de colisão.

“Por isso, esse avanço no transporte seguro das crianças, dentro do CTB, é tão importante, embora o texto ainda apresente alguns retrocessos, como o aumento da pontuação limite para cassação da CNH. Esse PL, e quaisquer outras medidas que alterem as leis de trânsito, devem ser tratadas com muita atenção para garantirmos o cuidado e segurança dos nossos pequenos”, destaca a organização.

Especialistas dizem que há pouco a comemorar

O texto aprovado não agradou os especialistas. As novas medidas, no que tange à proteção das crianças, foi recebida pela Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul (SPRS) com um alívio, pela retirada da intenção de não aplicar multas para quem não usa a cadeirinha, porém, os critérios do tipo de equipamento a ser usado continuam alvo de críticas.

“Como pediatra e pesquisador de segurança infantil, lamento que o Projeto de Lei aprovado pela Câmara de Deputados continue ignorando as recomendações atuais sobre transporte de crianças em veículos, conforme sumarizadas no último documento científico da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) sobre esse tema”, afirma o médico associado da SPRS, Danilo Blank.

O conteúdo disponibilizado pela SBP (bit.ly/sbpdocent-ocup) detalha que, segundo as recomendações atuais das melhores práticas apoiadas em evidências científicas para o transporte de crianças em automóveis, o consenso é que as limitações se baseiem no tamanho da criança – primordialmente a estatura, mas também o peso – e na capacidade do dispositivo em acomodá-la, e não na idade.

“A proposta de alteração do artigo 64 do Código de Trânsito Brasileiro continua omissa quanto às melhores recomendações para os tipos de assento apropriados para diferentes tamanhos de crianças. Enfim, pelo menos o projeto aprovado bloqueou a inexplicável intenção do Governo Federal de retirar simplesmente da legislação brasileira as punições pelo transporte inapropriado de crianças em automóveis”, completou Blank.

O médico destaca que a importância de manter todas as crianças menores de 1,45m – não somente até os 10 anos – em assentos de segurança está na comprovada proteção desses dispositivos. Assim, cabe ao pediatra orientar os pais para que se certifiquem que seus filhos utilizem os equipamentos mais seguros e adequados, independentemente da lei.

Luiz Gustavo Campos, especialista em trânsito e diretor da Perkons, diz que ainda hoje milhares crianças perdem a vida por razões que poderiam ser evitadas. “É importante que os condutores e a sociedade de modo geral entendam que direção defensiva, transporte responsável e as leis de trânsito ajudam a salvar vidas, e que mais de 90% dos acidentes de trânsito poderiam ser evitados com medidas simples de prevenção”, comenta.

Fonte: Lide Multimídia

Empresários picaretas que conseguiram implodir o transporte coletivo e escolar de Porto Velho

Marcelo Alves Cavalcante e Waldir Mansur, são réus em mais de 1.200 processos em várias comarcas Brasil afora. Empresário mineiro RENINHO TEIXEIRA é quem banca as Empresas de Marcelo em RO/AC

A “parceria de rolos” entre Marcelo Alves Cavalcante, que segundo levantamento, é testa de ferro de Reninho Teixeira e Waldir Mansur, que tomarem de assalto o setor de transporte de Porto Velho começou em 2016, mas devido os desdobramentos contrários as suas ambições, decidiram “prorrogar ao máximo” a permanência em Porto Velho.  

O ambicioso e diabólico plano para melar a licitação do transporte coletivo da capital de Rondônia começou em novembro de 2019, quando a prefeitura publicou o Edital de Concorrência Publica nº 001/2019/CPL-GERAL/SML/PVH.
Marcelo e seu grupo de picaretas sabiam que não iria adiantar eles participarem do processo porque seriam facilmente desclassificados assim que descobrissem que eles estariam por trás de qualquer uma de suas empresas laranjas usadas para esses fins. Então decidiram “ficar de olho” no processo, esperando uma falha para poder impugnarem a licitação e darem prosseguimento, e consequentemente, sua permanecia por mais tempo na prestação do péssimo serviço aos munícipes da capital. 

Waldir Mansur, socio em outros rolos de Marcelo, convocou então o seus staff de advogados para usarem o nome da Empresa Âmparo Viação e Turismo Ltda para entrarem com uma denuncia no Ministério Publico de Rondônia apontando várias irregularidades no processo licitatório que teve uma única empresa interessada, JTP TRANSPORTES.
A Âmparo está registrada nos nomes de Waldir Mansur Teixeira, Eraldo Barbosa Costa e WMT Participações e Empreendimentos Eirelli, segundo registro atual da Jucesp – Junta Comercial do Estado de São Paulo. Ainda de acordo com a Junta, a situação da empresa está com “pendências

judicial”. Marcelo, Waldir Mansur e WMT Participações e Empreendimentos também são sócios no Acre, como demonstra cartão de CNPJ.

Os rolos dos empresários não são exclusividades de Rondônia e Acre, e basta uma breve consulta no site JUSBRASIL por exemplo, para encontrar centenas de processos espalhados Brasil afora. Este blogueiro já catalogou mais 1.200 processos, e a grande maioria são processos trabalhistas.

Em Porto Velho, as denuncias apresentadas pela empresa Laranja Âmparo, foram aceitas pela justiça que acabou deferindo liminar para paralisação de todo processo de contratação da empresa vencedora JTP TRANSPORTES, que inclusive já estava com um grande investimento em Porto Velho com a construção de garagem, conforme um vídeo que circulou nas redes sociais, já estava com uma frota nova de 40 ônibus prontos para seguir para capital, onde aguardaria apenas a autorização para dar inicio aos trabalhos, em meados de setembro, a empresa viria com uma frota total de 156 veículos. 

Recursos apresentados pela prefeitura de Porto Velho foram indeferidos pelo desembargador relator do processo que acatou na integra a decisão da magistrada de primeira instância, colocando assim um ponto final na referida licitação. 

MARCELO E O SOCIO RENINHO TEIXEIRA

RENHINHO TEIXEIRA, segundo fonte segura, é quem banca Marcelo. De acordo com informações, foi ele, inclusive, quem tirou Marcelo da cadeia quando a Polícia Federal deflagrou a operação CARROSSEL em 04 de setembro de 2019, que desarticulou, uma poderosa organização criminosa que fraudava licitação e comandava uma verdadeira sangria nos cofres do município, segundo investigação da PF, Marcelo era o chefe da quadrilha. 

Reninho, para sorte de Marcelo, estava em Porto Velho nesse dia, e ele não mediu esforços e nem economizou grana para livrar seu sócio e amigo da cadeia.

MARCELO CHEGANDO AO PRESIDIO URSO BRANCO

Marcelo Alves Cavalcante, em dois anos tornou-se o maior empresário do ramo de transporte escolar e terrestre de Porto Velho, além de ter se tornado o sócio majoritário do CONSÓRCIO DO SISTEMA INTEGRADO MUNICIPAL DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS – SIM, sem pagar um centavo de real.

Originário do Estado do Acre, onde lá conseguiu levar a falência pelo menos três empresas. Marcelo Alves Cavalcante, tornou experto no ramo de transportes, e em Rondônia deu um show de malandragem comercial até mesmo em cima daquele que se considerou o mais novo magnata do transporte coletivo urbano de Porto Velho, Adélio Barofaldi, um dos donos do Grupo Rovema.

Sócio da empresa FLORESTAL TRANSPORTES LTDA., inscrita no CNPJ sob nº 17.588.579/0001-58, na qual também possui como sócios WALDIR MANSUR TEIXEIRA e W – KA – PARTICIPAÇÕES E EMPREENDIMENTOS LTDA., Marcelo conseguiu no estado do Acre levar à falência a empresa AUTO VIAÇÃO FLORESTAL CIDADE DO RIO BRANCO LTDA., que tinha Capital Social de R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais), na qual também são sócias as pessoas citadas.

A empresa AUTO VIAÇÃO FLORESTAL CIDADE DO RIO BRANCO LTDA., do mesmo grupo econômico das empresas PETROACRE TRANSPORTES LTDA. VIAÇÃO AQUIRI LTDA., EMPRESA DE TRANSPORTES ACREANA LTDA., VIAÇÃO RIO BRANCO LTDA., através de Marcelo Alves Cavalcante deixou no vizinho Estado do Acre um rastro de prejuízos a uma centena de trabalhadores e credores diversos e tiveram que ajuizar Ação de Recuperação Judicial naquele Estado (Processo nº 0710617-15.2016.8.01.0001), no qual certamente será decretada a falência.

Nesta ação há pelo menos uma centena de credores tentando reaver créditos do grupo empresarial em que Marcelo foi o administrador, afora outra centena de trabalhadores que buscam receber salários e direitos trabalhistas perante a Justiça do Trabalho da Comarca de Rio Branco no Acre.

Os prejuízos causados por Marcelo no Estado do Acre só não foram maiores porque a Justiça do Trabalho levou a leilão e conseguiu vender um imóvel (Pátio) pertencente à empresa Real Norte Transportes S.A., que também fazia parte do mesmo grupo econômico administrado por Marcelo, obteve um pouco mais de R$ 5 (cinco milhões de reais) e atualmente está pagando os trabalhadores, dentro do possível.Atualmente, “a empresa de Marcelo” sobrevive com 18 ônibus em circulação na capital, ônibus esses, que segundos informações, NEM DOCUMENTO TEM, já que os mesmos não foram pagos e o verdadeiro dono dos veículos levou consigo toda documentação, e não se vê nenhuma operação de trânsito para constatar a legalidade dos referidos veículos.

Desde dezembro do ano passado, a prefeitura de Porto Velho é que vem pagando os salários dos funcionários de Marcelo, em uma negociação de uma divida judicial que nem era dele, porém a prefeitura abriu mão dos recursos em prol dos trabalhadores, mas os recursos acabaram e novamente os trabalhadores tomaram cano do ambicioso empresário e seus sócios.

Fonte: Blog do Caldeira

Ismael Crispin indica necessidade de regulamentar o auxílio transporte dos servidores públicos

A medida mais justa aos servidores do Estado de Rondônia, é que o Executivo encaminhe um projeto de Lei, para que a Assembleia Legislativa, diz o deputado

Em indicação apresentada nesta terça-feira (28) na Assembleia Legislativa, dirigida ao governador do Estado, o deputado Ismael Crispin (PSB) defendeu a necessidade urgente do Poder Executivo providenciar a regulamentação da Lei 68/92, no que se refere ao auxílio transporte, para que servidores públicos de todos os poderes não sejam prejudicados.

Na justificativa, o parlamentar explicou que uma norma estadual que previa a regulamentação do benefício, foi revogada pela Lei Complementar 68/92, destinada aos servidores públicos e que definiu no Artigo 84 a existência do benefício, mas exigindo a regulamentação.

O decreto 4.451/89 até define uma regulamentação, mas no entendimento de sindicatos e do parlamentar, é inconstitucional porque inovou no ordenamento, estabelecendo regramentos que se justificariam apenas com base na lei revogada. O deputado apontou ainda que, devido a omissão do Estado, o Poder Judiciário passou a aplicar o decreto 4.451/89.

Em 2016 um decreto chegou a ser editado propondo a regulamentação, mas foi anulado menos de 30 dias depois. Ismael destacou que há bastante tempo o benefício está sem regulamentação, o que precisa ser alterado de forma imediata pelo Poder Executivo.

“A medida mais adequada e justa aos servidores do Estado de Rondônia, é que o Executivo encaminhe um projeto de Lei, para que a Assembleia Legislativa possa debater os critérios igualitários para os servidores de todo o Estado, incluindo os três poderes. Isso trará mais segurança jurídica, pois atualmente, como os critérios definidos pela Lei Complementar 68/92 são critérios genéricos e cada poder pode regulamentar de maneira diversa”.

Ismael Crispin defende por exemplo que se estabeleça um valor fixo presumido, deixando em aberto que, em casos específicos que o extrapolem, o servidor comprove essa condição e receba a reparação integral.

Texto: Laila Moraes-ALE/RO

Mais uma paralisação no transporte coletivo da capital

Sem receber salários, motoristas e cobradores paralisam transporte coletivo em Porto Velho

Porto Velho, RO – Um novo protesto pelo atraso de salários iniciou na manhã desta segunda-feira (20), por motoristas e cobradores do transporte coletivo em Porto Velho. A informação foi confirmada pelo secretário de trânsito, Nilton Kisner.

Todos os ônibus ficaram na garagem em protesto pelo não pagamento dos salários do mês de abril. A última paralisação no transporte da Capital aconteceu no dia 20 de junho deste ano devido ao não pagamento de três meses de salário e a falta de equipamentos de proteção individual.

De acordo com os trabalhadores, eles não recebem os salários desde abril e que nem os materiais de higiene para enfrentamento do coronavírus nao está sendo distribuído aos funcionários.

Somente 22 ônibus estavam circulando nas ruas da cidade por conta da prevenção contra o coronavírus. a previsão era de que o numero aumentasse para 30 nesta segunda-feira, o que não ocorreu.

Fonte: Diário da Amazônia

Homem é preso por transportar barras de ouro em distrito de nova mamoré, RO

Barras foram avaliadas em torno de quase 2 milhões, agentes desconfiam que seria trocadas por drogas.

Polícia revistou homem e encontrou ouro debaixo da roupa em RO — Foto: Polícia Civil/Divulgação
Polícia revistou homem e encontrou ouro debaixo da roupa em RO

A Polícia Civil flagrou Um homem nesta quarta-feira (1°) transportando quase seis quilos de ouro contrabandeado. A prisão de Wesley Vieira Candido aconteceu na região do distrito de Araras, em Nova Mamoré (RO), fronteira com a Bolívia.

A apreensão do ouro aconteceu durante uma abordagem realizada por policiais que atuam na operação Horus, de combate ao crime na região de fronteira.

De acordo com a Delegacia de Polícia Civil, as barras de ouro estavam escondidas junto ao corpo de Wesley, que trafegava sozinho em um veículo pela BR-364.

Ainda conforme a polícia, as barras são avaliadas em cerca de R$ 2 milhões e possivelmente seriam trocadas por droga na fronteira entre Brasil e Bolívia.

O suspeito e o material apreendido foram levados à delegacia de Guajará-Mirim (RO). O homem deve responder por usurpação de propriedade na União.

Fonte: G1/RO

%d blogueiros gostam disto: